Um recital notável

Público foi prejudicado em concerto da brilhante Nathalie Stutzmann

O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2013 | 02h14

Crítica: João Marcos Coelho

Tenho uma boa e algumas más notícias sobre o recital da contralto Nathalie Stutzmann anteontem na Sala São Paulo. Pela ordem: eliminou-se o letreiro em branco sobre branco, que ninguém conseguia ler. Distribuiu-se um folheto de 8 páginas com o material básico para o público acompanhar os textos originais e as traduções das canções. Apesar do público apenas razoável, algumas pessoas ficaram sem programa.

Agora as ruins: meia hora antes do recital, a diva decidiu mudar sua colocação no palco. A sala já estava dividida ao meio pelos enormes panos brancos, como de costume. Mas Nathalie e a pianista postaram-se de frente para o coro, portanto de costas para o público. Dois ridículos monitores mostravam imagens delas aos desolados espectadores. Quem assistiu à primeira parte na plateia, como eu, foi imensamente prejudicado. A poderosa voz de Nathalie projetava-se inteira em direção ao coro; a nós, restavam apenas fiapos distorcidos. Pena, mas não foi possível curtir a imensa beleza dos sete lieder de Schubert. Fiquei até com a impressão errada de que sua voz não ficava à vontade nos arabescos mais agudos das melodias de Schubert. Mesmo com Nathalie de costas e a voz chegando distorcida, deu para capturar um pouco da sua magia na inicial "Na Primavera" e na conhecidíssima "A Truta".

Outro erro, desta vez de repertório, foi incluir, a título de tributo a Wagner, quatro canções descartáveis assinadas por aquele que viria a ser um gênio, mas àquela altura era só um jovem de 26 anos perseguindo o sucesso a todo custo em Paris. A tal ponto que enfiou praticamente toda a Marselhesa no acompanhamento do piano em "Os Dois Granadeiros", sobre versos de Heine traduzidos para o francês, só para sensibilizá-los, obviamente num baixo lance marqueteiro. Teria sido mais inteligente ouvi-la em Schumann, por exemplo. Em todo caso, a ótima Inger Södergren salvou o tributo tocando a "morte de amor" do "Tristão" em transcrição para piano solo de Franz Liszt.

Na segunda parte, todos aboletaram-se no coro; só alguns gatos pingados permaneceram na plateia. Aí sim, começou de fato para muitos o recital, dedicado dali até o fim à mélodie. Foi assim que os franceses qualificaram suas canções aculturadas a partir da matriz alemã de Schubert. As quatro belas mélodies de Charles Gounod justificam o raciocínio de Ravel, atribuindo-lhe a paternidade do afrancesamento do gênero: Gounod "reencontrou o segredo da sensualidade harmônica perdida desde os cravistas". Preciosas, particularmente, são "Donne-moi cette fleur", predecessora da muito mais famosa La Fleur Que Tu m'Avais Jetée de Bizet; e Le Vallon, de 1842. Ambas receberam leitura notável de Nathalie, capaz de inflexões sutis na entonação.

O melhor, entretanto, estava por vir, com as quatro mélodies de Debussy. Canções de juventude, compostas entre 1880 e 1891, mas neste caso excepcionais. Em Os Sinos, de 1883, o piano reproduz sua sonoridade e o compositor emenda dois versos numa única e longa frase musical, provocando um efeito de declamação lindamente reproduzido por Nathalie. No extra, À Chloris, uma das mais conhecidas mélodies de todos os tempos, de tinturas bachianas no acompanhamento, composta pelo andrógino dândi franco-venezuelano Reynaldo Hahn, em comovente performance da diva. No saldo geral, uma passagem deslumbrante por São Paulo de Nathalie, uma das maiores cantoras do nosso tempo.

JJJJ ÓTIMO

JJJJJ EXCELENTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.