Um poeta em todas as circunstâncias

Produção intelectual de Octavio Paz é reunida em cerca de 30 livros

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2012 | 22h00

Poeta e ensaísta, Octavio Paz nasceu na Cidade do México em 1914 e aos 23 anos já dava sinais do caminho que seguiria com sua obra - ele participou, em Valência, do 2.º Congresso Internacional de Escritores Antifascistas.

Sua produção intelectual é reunida em cerca de 30 livros, alguns dos quais editados no Brasil nas últimas décadas. Hoje, apenas seis estão disponíveis no País: Conjunções e Disjunções, Marcel Duchamp ou O Castelo da Pureza, Signos em Rotação e Claude Lévi-Strauss ou O Novo Festim de Esopo, todos pela Perspectiva; O Labirinto da Solidão e Post Scriptum (Paz e Terra) e Pedra do Sol (Annablume). Em sua bibliografia, estão ainda duas importantes revistas criadas por ele.

A Plural circulou de 1971 e 1976 e foi fundamental para a evolução do pensamento intelectual da América Latina. Acabou fechada pelo governo, mas renasceu, no mesmo ano, em nova revista: a Vuelta, que teve uma sucursal em Buenos Aires.

Seu ingresso no corpo diplomático mexicano o levou a países como Estados Unidos, França e Japão, entre outros, onde conviveu com artistas e intelectuais como André Breton. Um de seus grandes incentivadores foi o escritor e diplomata Alfonso Reyes - ele serviu no Rio de Janeiro e teria influenciado, também, o argentino Jorge Luis Borges.

Por sua vasta produção, foi premiado diversas vezes, e com os mais importantes prêmios internacionais. O Nobel de Literatura, o Cervantes e o Jerusalém são apenas alguns deles. Foi ainda doutor honoris causa da Universidade de Harvard.

Morreu em 1998, no México, em decorrência de um câncer.

TRECHO - 'O ARCO E A LIRA':

“A poesia é conhecimento, salvação, poder, abandono. Operação capaz de mudar o mundo, a atividade poética é revolucionária por natureza; exercício espiritual, é um método de libertação interior. A poesia revela este mundo; cria outro. Pão dos eleitos; alimento maldito. Separa; une. Convite à viagem; regresso à terra natal.”

Tudo o que sabemos sobre:
LiteraturaSabáticoOctavio Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.