Um poeta de grife

Frederico Barbosa conseguiu o impossível, ou quase. É um poeta que chega ao terceiro livro, o que já marca um tento. Mais que isso, consegue um comentário elogioso escrito, impresso e assinado por ninguém menos que Antonio Candido, o maior nome da crítica literária no país e que reproduzimos aqui. Sairá na quarta capa do livro, que conta ainda com posfácio do também poeta Antonio Risério.O poeta lança Contracorrente, pela editora Iluminuras, nesse sábado, a partir das 19h, na Escola Logos, em São Paulo. Nascido no Recife, em 1961, Frederico é filho de Ana Mae Barbosa e de João Alexandre Barbosa, ex-professores da USP e figuras renomadas no mundo das artes plásticas e da literatura. Frederico é professor de literatura como o pai, além de poeta. Publicou seu primeiro livro, Rarefato, em 1990, já assinalado com destaque pela crítica. Em 1993, lançou Nada Feito Nada, pela editora Perspectiva, conquistando o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, o mais importante a nível nacional.Frederico é um poeta da linhagem dos concretistas que têm nos irmãos Haroldo e Augusto de Campos seus representantes notórios e remarcáveis. Mas tem um estilo que é só seu.Contracorrente, de Frederico Barbosa, Capa e projeto gráfico de Carlos Fernando, 64 págs., R$ 15, Editora Iluminuras. Lançamento no sábado, às 19h, na Escola Logos (Av. Rebouças, 2.633 - São Paulo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.