Um museu para os 125 anos de Thomas Mann

A cidade natal do escritor alemão Thomas Mann prestou homenagens hoje ao seu aniversário de 125 anos de uma maneira extremamente realista, tal qual as obras do escritor. Foi inaugurada, durante uma cerimônia, a casa-museu que reproduz detalhadamente o ambiente familiar do romance Os Buddenbrooks, de 1901, que narra a decadência de uma família alemã burguesa através de três gerações. Por esse livro Mann ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 1929. Entre as diversas autoridades presentes, participou da inauguração o presidente alemão Johannes Rau. Também estiveram lá Günter Grass, outro alemão Nobel de Literatura, e Angelika Borgese e Friedo Mann, netos do escritor. A comemoração também coincide com o lançamento em inglês da biografia do escritor, Thomas Mann - A Life, de Donald Prater, que deve sair em português em outubro.A casa, na qual o escritor passou sua infância e juventude e que pertenceu por um século e meio à família Mann - considerada da alta burguesia comerciante de Luebeck - foi reformada durante seis meses, com recursos públicos que consumiram aproximadamente US$ 2,5 bilhões. O museu também será dedicado ao irmão do escritor, Heinrich Mann, outro famoso letrado. Durante a cerimônia, a atriz Veronica Ferres leu passagens do livro Os Buddenbrooks. Num filme do diretor Heinrich Breleur sobre a família Mann, Veronica Ferres interpretou o papel de Nelly Kroeger, a segunda mulher de Heinrich Mann. A mãe dos dois escritores, Júlia da Silva Mann, era brasileira, e em diversas partes da casa é também lembrada.A vida de Thomas Mann remonta a diversas passagens históricas, já que sua rotina regrada lhe permitiu uma longa vivência (morreu com 80 anos em 1955). Em 1933, por exemplo, as obras de Thomas e Heinrich Mann foram atiradas ao fogo, junto às centenas de livros de ficção e científicos considerados ?nocivos? ao povo alemão pelo regime nazista. Os dois passaram, então, todo período da Segunda Guerra Mundial (entre 1939 e 45), refugiados nos Estados Unidos.Segundo os organizadores, a idéia de oferecer ao visitante do museu a possibilidade de ?viver por dentro? o ambiente original de uma obra literária, com salas e mobília que são réplicas fiéis do cenário em que se passa o romance, é uma experiência única no mundo. A visita à casa da família faz parte da mostra oficial da Exposição Universal de Hannover 2000.Entre o vasto legado literário de Thomas Mann destacam-se ainda a novela A Montanha Mágica, ambientada num sanatório para tuberculosos, publicada em 1924; uma coleção de ensaios sobre mestres como Goethe, Schiller, Cervantes, Tolstoi, Nietzsche e Freud; e até mesmo um diário íntimo, do qual rasgou várias páginas, e chegou a pedir que somente fosse aberto 20 anos depois de sua morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.