Marcos Malta/AE
Marcos Malta/AE

Um livro para folhear ou ler no e-book

'Último Trem' de Marco Simas sai simultaneamente no formato livro tradicional e no digital

04 Maio 2010 | 19h20

Roberta Pennafort - O Estado de S. Paulo

RIO -

O dicionário ensina que o prefixo "trans" pode significar "além de", caso de palavras como "transatlântico", e também "mudança", como em "transformar". Lançamentos em "transmídia" são as apostas do novo selo da editora carioca Vieira & Lent, pela qual está saindo, nos formatos impresso e digital, este para leitura em e-books, celulares e computadores, o romance Último Trem, de Marco Simas (Colofon, 304 págs., R$ 42). "É o primeiro lançamento simultâneo no Brasil.

 

Normalmente, as editoras lançam o impresso e depois o digital, ou o contrário. Não temos medo. Acreditamos que as mídias não competem", explica Raphael Vidal, editor assistente da Vieira & Lent.

 

A empresa foi aberta em 2002 e tem foco em publicações da área científica. Agora, com o recém-criado selo Colofon, pretende dedicar-se à literatura contemporânea. E para divulgar a literatura que se faz nesta quarta, 5, lança mão dos diferentes meios de que os leitores dispõem.

 

No lançamento, hoje, na livraria Blooks, que fica dentro do cinema Unibanco Arteplex, no Rio, estará disponível para venda o livro físico, que sai por R$ 42, e também um computador por meio do qual será possível adquirir o arquivo digital, a R$ 20.

 

No hotsite www.vieiralent.com.br/ultimotrem há não só um link para a Gato Sabido, a primeira loja de livros eletrônicos do País, onde poderá ser efetuada a compra, mas também mais informações sobre o autor, que é roteirista e autor de curtas-metragens. Lá está, por exemplo, seu filme Com o Andar de Robert Taylor (1988), adaptação de um conto do escritor Roberto Drummond.

 

O livro de Simas surgiu como argumento para roteiro de cinema. A atriz Angelina, uma das personagens, tem 19 anos e está em todas as redes sociais. A história se passa nos anos 90, tendo como pano de fundo o governo Collor e as mudanças econômicas. Miguel, figura central da trama, tem 65 anos e passou a vida inteira dentro de um cinema - é projecionista.

 

Cenas de filmes que o marcaram se confundem com sua própria história de vida. Os leitores podem compartilhar com eles essas imagens: no hotsite, estarão fichas técnicas e links de trechos dos filmes. Tudo em nome da interatividade.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.