Um jogo para decifrar Bob Dylan

Finn - Amigo pra Cachorro

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2010 | 00h00

15H50 NA GLOBO

(Finn On The Fly). Canadá, 2008. Direção de Mark Jean, com Ana Gasteyer, Ryan Belleville, Brandon Firla.

Cachorro que é o melhor companheiro de garoto tímido vira gente ao cabo de uma experiência. E, claro, continua amigo devotado do pequeno herói. Fantasia para plateias infantis. Trata do valor da amizade, o que é sempre positivo. Inédito, colorido, 92 min.

Não Estou Lá

22H NA CULTURA

(I`m not There). Alemanha, EUA, 2007. Direção de Todd Haynes, com Michelle Williams Christian Bale, Benz Antoine, Charlotte Gainsbourg, Heath Ledger, David Cross, Richard Gere, Bruce Greenwood, Julianne Moore, Cate Blanchett e Ben Whishaw.

Ao invés de fazer uma biografia tradicional de Bob Dylan, o diretor Haynes propõe muito mais uma interpretação de sua vida e obra. Por isso, diversos atores, incluindo uma mulher, Julianne Moore, se revezam no papel, numa narrativa acronológica e intrigante. Não é para todos os gostos, mas é fascinante e confirma Haynes como um dos maiores talentos da atualidade, dando continuidade às ideias (e inovações) de Velvet Goldmine e Longe do Paraíso. Reprise, colorido, 135 min.

Justiceiro de Rua

22H NA REDE BRASIL

(Hot City). EUA, 1996. Direção de Larry Cohen, com Fred Williamson, Jim Brown, Gregory Hines, Pam Grier.

Famosos astros dos "blacsploitation movies" dos anos 1970 (Fred Williamson, Jim Brown e Pam Grier) voltam á cena nesta história sobre sujeito que visita o pai, que sofreu um acidente. Ele descobre que o velho, na verdade,

foi agredido e que a cidade está entregue a criminosos. Adivinhe se o herói não pega em armas - e chama os amigos - para colocar a casa em ordem. O diretor Cohen é mais apreciado por suas fantasias de terror, mas não nega fogo na hora da pauleira. Não é à toa que os críticos o consideram herdeiro do lendário Roger Corman, um mestre do filme barato. Reprise, colorido, 98 min.

Oscar Peterson: O Swing Vivo

0H30 NA CULTURA

Direção de Ron Allen.

A emissora não informa o ano em que foi produzido este documentário, mas ele tem depoimentos de Diana Krall, Herbie Hancock, Phil Nimmons, Bennie Green e Ellis Marsalis. Todos destacam a importância de Oscar Peterson, que morreu em 2007, aos 82 anos. O pai o incentivava a se converter no maior pianista de jazz que já existiu. Peterson não apenas perseguia o sonho. Concretizou-o, como existe um batalhão de críticos dispostos a dizer. Inédito, colorido, sem indicação de duração.

Intercine

2H35 NA GLOBO

A emissora exibe o preferido do público entre - Mudança de Código, de Frederic Forestier, com Dolph Lundgren como agente encarregado da pasta preta do presidente dos EUA, na qual estão os códigos militares para deflagrar a guerra atômica; e 28 Dias, de Betty Thomas, com Sandra Bullock como bêbada e drogada que passa por reabilitação, no período do título, e vira outra mulher. Claro que a presença de Viggo Mortensen ajuda.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre - Fogo no Céu, de Robert Lieberman, com D. B. Sweeney, Robert Patric, Craig Sheffer, Peter Berg e Henry Thomas, baseado na experiência supostamente real de um homem que teria sido abduzido no Arizona, em 1975; desaparecido durante cinco dias, ele

voltou depois que os amigos o viram desaparecer num clarão de luz (EUA, 1993, fone 0800- 70-9011); e Contato Mortal, de Eric Karson, com Sho Kosugi como agente da CIA que tenta recuperar material de um avião que caiu no Mediterrâneo e tem de enfrentar espião russo; no papel do segundo aparece Jean-Claude Van Damme, ainda na primeira fase de sua carreira (EUA, 1988, fone 0800-70-9012).

TV Paga

Perdas e Danos

22 H NO TELECINE CULT

(Damage). Inglaterra, 1992. Direção

de Louis Malle, com Jeremy Irons, Juliette Binoche, Miranda Richardson, Rupert Graves, Peter Stormare.

Sempre atraído pelo escândalo, Malle conta aqui a história de político que se envolve com a namorada do filho, colocando em risco a família e a carreira. O dramaturgo David Hare adaptou o best seller de Josephine Hart, a trilha é de Zbigniew Preisner e Miranda Richardson está genial como a mulher rejeitada. Apesar de tudo isso, teria sido um decepcionante final de obra para o grande diretor, que morreu em 1995, se ele não tivesse tido tempo de fazer Tio Vânia em Nova York. Reprise, colorido, 111 min.

Sem Destino

1 H NO TCM

(Easy Rider). EUA, 1969. Direção e interpretação de Dennis Hopper, com Peter Fonda, Jack Nicholson.O filme que virou emblema de uma geração (e da contracultura). Dois motociclistas refazem, invertido, o trajeto dos pioneiros que construíram os EUA, indo de Los Angeles, no Oeste, a New Orleans, no Leste, para o Mardi Grass. Peter Fonda e o próprio diretor Hopper representam a geração das drogas. Encontram Jack Nicholson, a da bebida. Grande trilha, fotografia brilhante, um marco do cinema dos anos 1960, a década que mudou tudo. Reprise, colorido, 94 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.