Divulgação
Divulgação

Um filme,três autores

João Jardim fala da rotina de filmagem do documentário Lixo Extraordinário

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2011 | 00h00

O Brasil está no Oscar. Quem não tem dúvida nenhuma em fazer essa afirmação é o cineasta brasileiro João Jardim, codiretor de Lixo Extraordinário. O filme é uma coprodução Inglaterra-Brasil, dirigido pela inglesa, residente nos Estados Unidos, Lucy Walker, e codirigido pelo carioca João Jardim e pela pernambucana Karen Harley.

João conversou com o Estado por telefone de Foz do Iguaçu, onde se encontra em férias. Diz que ficou tenso esperando pela divulgação dos concorrentes e explodiu de alegria quando lhe comunicaram que o filme estava entre os finalistas, como se esperava. "Foi uma agonia", confessa.

A conversa, naturalmente, gira em torno da nacionalidade do documentário. Para João, a questão é muito simples. Trata-se de uma parceria, do ponto de vista econômico, entre o produtor inglês e a brasileira O2, de Fernando Meirelles. E, pelo lado artístico, traduz uma visão mista, estrangeira e brasileira, sobre a realidade do Brasil. Havia o interesse internacional em produzir aquele encontro descrito no filme, entre o artista plástico Vik Muniz e os catadores de lixo do Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro, e assim foi feito.

O filme, em cartaz em São Paulo e outras cidades, mostra o trabalho de Vik Muniz que fotografa catadores de lixo, depois usa os materiais do lixão para reconstituir figuras, registra de novo com sua câmera o resultado e, desse processo, tira obras espantosas. Numa delas, um dos catadores, Tião, personagem marcante da comunidade, posa como o revolucionário Marat, assassinado em sua banheira por Charlotte Corday. O Marat negro, interpretado por Tião segundo a imaginação de Muniz, causa funda impressão no espectador.

Lixo Extraordinário mergulha, assim, em cheio na realidade brasileira e em suas mais duras contradições. O faz a partir da experiência de um artista plástico também vindo da periferia, mas que reside e faz sucesso no exterior. A motivação de Vik Muniz é retribuir ao seu país de origem parte do seu êxito internacional. Não faz mera filantropia. Os personagens do lixão, convertidos em artistas, participam desse sucesso. Viajam para exposições com o badalado Vik Muniz. Têm sua vida transformada por essa mesma alquimia que faz o dejeto virar arte. É comovente. Sem ser piegas. É real. Sem mistificar.

Mas seria um olhar puramente brasileiro voltado a essa realidade e a esse processo de transformação? "É um olhar misto, e é desse DNA composto que o filme tira talvez a sua força", diz Jardim. "Ele nos fala de perto, ao mesmo tempo em que tem trânsito junto ao público internacional."

O processo de filmagem explica esse hibridismo. "A Lucy Walker veio ao Brasil e iniciou o trabalho no Jardim Gramacho", conta. "Ela ficou apenas dez dias e teve de ir embora para tocar outro projeto dela. Então eu assumi as filmagens e realizei cerca de 60% das cenas que são vistas na tela." Por fim, a pernambucana Karen Harley (montadora de filmes como Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes, e Baixio das Bestas, de Claudio Assis) assumiu e tocou o resto do trabalho. Por fim, o material seguiu para o exterior e Lucy Walker o montou. "Ela teve o final cut do filme e isso é fundamental."

Ele sabe que existem pontos polêmicos no trabalho. "Como é pensado também para o público estrangeiro, algumas informações poderão parecer óbvias demais ao espectador brasileiro", admite. Causam estranheza, também, alguns participantes brasileiros falando em inglês, como é o caso do próprio Vik Muniz. "Acho que o projeto nunca esconde sua natureza híbrida."

João sente-se "absolutamente tranquilo" quanto à sua participação no filme. "Filmei a maior parte das cenas, mas tenho de reconhecer tanto a participação da Karen Harley como a importância do final cut da Lucy Walker", diz. "Sou autor de um trabalho que tem vários autores. E me sinto muito orgulhoso por ter trabalhado em algo muito legal, que leva ao mundo o conhecimento daquela realidade, e a dignidade das pessoas que vivem naquela situação."

E sobre as chances de Lixo Extraordinário? "Aí já não sei, pois teria de conhecer os outros concorrentes." João espera que não aconteça com ele o que ocorreu com Central do Brasil, de Walter Salles, que tinha tudo para vencer o Oscar em 1999, mas acabou derrotado pelo imbatível A Vida é Bela, de Roberto Benigni. Lixo Extraordinário concorre com Exit Through the Gift Shop, Gasland, Restrepo e o fortíssimo Trabalho Interno, sobre as raízes da crise econômica mundial de 2008. Agora é torcer.

INDICADOS

FILME

Cisne Negro

O Vencedor

A Origem

Minhas Mães e Meu Pai

O Discurso do Rei

127 Horas

A Rede Social

Toy Story 3

Bravura Indômita

Inverno da Alma

DIREÇÃO

Daren Aronofsky - Cisne Negro

David Fincher - A Rede Social

Tom Hooper - O Discurso do Rei

David O. Russell - O Vencedor

Joel Coen e Ethan Coen - Bravura Indômita

ATRIZ

Annette Bening - Minhas Mães e Meu Pai

Nicole Kidman - Reencontrando a Felicidade

Michele Williams - Namorados para Sempre

Jennifer Lawrence - Inverno da Alma

Natalie Portman - Cisne Negro

ATRIZ COADJUVANTE

Amy Adams - O Vencedor

Helena Bonham Carter - O Discurso do Rei

Melissa Leo - O Vencedor

Hailee Steinfeld - Bravura Indômita

Jacki Weaver - Animal Kingdom

ATOR

Colin Firth - O Discurso do Rei

Javier Bardem - Biutiful

Jeff Bridges - Bravura Indômita

Jesse Eisenberg - A Rede Social

James Franco - 127 Horas

ATOR COADJUVANTE

Christian Bale - O Vencedor

John Hawkes - Inverno da Alma

Jeremy Renner - Atração Perigosa

Mark Ruffalo - Minhas Mães e Meu Pai

Geoffrey Rush - O Discurso do Rei

ANIMAÇÃO

Como Treinar Seu Dragão

O Mágico

Toy Story 3

FILME ESTRANGEIRO

Biutiful (México), de Alejandro Iñárritu

Incêndios (Canadá), de Denis Villeneuve

Em um Mundo Melhor (Dinamarca), de Susanne Bier

Dente Canino (Grécia), de Yorgos Lanthimos

Fora da Lei (Argélia), de Rachid Bouchareb.

DIREÇÃO DE ARTE

Alice no País das Maravilhas

Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 1

A Origem

FOTOGRAFIA

Cisne Negro - Matthew Libatique

A Origem - Wally Pfister

O Discurso do Rei - Danny Cohen

A Rede Social - Jeff Cronenweth

Bravura Indômita - Roger Deakins

FIGURINO

Alice no País das Maravilhas - Colleen Atwood

I Am Love - A. Cannarozzi

O Discurso do Rei - J. Beavan

The Tempest - Sandy Powell

Bravura Indômita - M. Zophres

MAQUIAGEM

Caminho da Liberdade

O Lobisomen

Inverno da Alma

TRILHA SONORA

Como Treinar Seu Dragão

A Origem

O Discurso do Rei

127 Horas

A Rede Social

CANÇÃO ORIGINAL

Cooming Home, de Country Song

I See the Light, de Enrolados

If I Rise, de 127 Horas

We Belong Together, de Toy Story 3

ROTEIRO ORIGINAL

A Origem

Minhas Mães e Meu Pai

O Discurso do Rei

Another Year

O Vencedor

ROTEIRO ADAPTADO

127 Horas

Toy Story 3

Bravura Indômita

Inverno da Alma

A Rede Social

EFEITOS VISUAIS

Alice no País das Maravilhas

Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 1

A Origem

Homem de Ferro 2

EDIÇÃO DE SOM

A Origem

Toy Story 3

Tron: O Legado

Bravura Indômita

Incontrolável

MIXAGEM DE SOM

A Origem

O Discurso do Rei

Salt

A Rede Social

Bravura Indômita

DOCUMENTÁRIO

Exit through the Gift Shop

Gasland

Trabalho Interno

Restrepo

Lixo Extraordinário

DOC. CURTA-METRAGEM

Killing in the Name

Poster Girl

Strangers No More

Sun Come Up

The Warriors of Qiugang

FOTOGRAFIA

Cisne Negro - M.Libatique

A Origem- Wally Pfister

O Discurso do Rei - Danny Cohen

A Rede Social - Jeff Cronenweth

Bravura Ind. - R. Deakins

CURTA

The Confession

The Crush

God of Love

Na Wewe

Wish 143

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.