Glen Wilson/Divulgação
Glen Wilson/Divulgação

Um diretor numa fria

Paul Weitz teve de rebolar para administrar os egos enormes de seus atores

Elaine Guerini, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2011 | 00h00

O diretor Paul Weitz estremeceu quando soube que teria de submeter Robert De Niro a um momento constrangedor no set de Entrando numa Fria Maior Ainda com a Família. "Como você pede ao homem que deu vida a Vito Corleone e Al Capone para colocar um pênis de borracha dentro da calça do pijama e simular uma ereção pós-Viagra?" A solução foi quebrar o gelo com bom humor. "Simplesmente encomendei uma prótese tamanho gigante. Não podia correr o risco de ofender Bob com um órgão mediano", contou, rindo.

Esta foi apenas uma das saias-justas que Weitz enfrentou no set da comédia que estreou na sexta no Brasil. Ao ingressar na terceira parte da franquia (dirigida anteriormente por Jay Roach), o cineasta também precisou fazer média e administrar egos de ícones como Dustin Hoffman e Barbra Streisand. O elenco ainda resgatou Ben Stiller, Owen Wilson, Teri Polo e Blythe Danner dos primeiros filmes - além das novas aquisições (Harvey Keitel, Jessica Alba e Laura Dern). "Foi como gerir um time de estrelas do esporte e tive de fazer a bola passar pelas mãos de todos."

Hoffman deu uma canseira em Weitz, mais conhecido por Um Grande Garoto (2002) e American Pie - A Primeira Vez É Inesquecível (1999). Inicialmente, o ator não gostou do tratamento dado ao seu personagem na nova continuação. Aqui o ex-agente da CIA (De Niro) volta a infernizar a vida do genro enfermeiro (Stiller), com a desculpa de visitar os netos, um casal de gêmeos. E a participação dos pais do enfermeiro (Hoffman e Streisand) praticamente se limita à festinha de aniversário das crianças. "Fui à casa de Dustin e tentei de tudo para convencê-lo a entrar no projeto. Mas nada. Nós fomos então obrigados a iniciar as filmagens sem ele."

O ator só mudou de ideia meses mais tarde, provavelmente quando percebeu que a franquia tinha seguido em frente, eliminando o seu personagem (um capoeirista beijoqueiro) do roteiro. Como a comédia já estava quase pronta, Weitz precisou refilmar algumas cenas coletivas e rodar outras só com Hoffman. Numa delas, supostamente ambientada na Espanha, seu personagem estaria aprendendo flamenco - o que justificaria a sua ausência em alguns momentos familiares na trama, já rodados. "Dustin deve ter visto um trailer do filme e se sentido deixado para trás", comentou o diretor.

Streisand aceitou logo de cara reprisar o papel da sexóloga na franquia - responsável pela bilheteria mundial de US$ 847 milhões com os filmes lançados em 2000 e 2004. "Mas eu nunca me iludi achando que ela faria o que eu quisesse", disse Weitz, que conheceu a atriz em sua residência, com vista privilegiada da praia de Malibu. "Quando cheguei, ela me levou a uma sala onde me sentei de costas para o mar. Quando já ia começar a anoitecer, ela disse: Por que você não se senta do outro lado, para apreciar a vista?" O cineasta topou na hora, percebendo logo depois o motivo por trás de tal gesto. "Ela simplesmente queria mudar a iluminação a seu favor. Barbra está sempre no controle."

QUEM É

PAUL WEITZ

DIRETOR, PRODUTOR,ATOR E ROTEIRISTA

Nascido em NY (1965), filho de uma atriz e de um novelista e designer de moda, da sua carreira como diretor fazem filmes como American Pie - A Primeira Vez É Inesquecível (1999), O Céu Pode Esperar (2001), Um Grande Garoto (2002), Em Boa Companhia (2004), Tudo pela Fama (2006), O Aprendiz de Vampiro (2009). Em alguns deles, também foi roteirista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.