Um dia de muitas estrelas e também de tema-tabu

Por que uma atriz do calibre de Cate Blanchett, vencedora do Oscar deste ano por Blue Jasmine (de Woody Allen), aceitou dublar a animação Como Treinar Seu Dragão 2? "Em primeiro lugar, porque a história é encantadora e eu me sinto feliz de integrar o grupo que a está contando. E, depois, quem acha que dublar é fácil poderia tentar, e mudar de ideia", ela disse durante a coletiva do filme de Dean Deblois, aqui no Festival de Cannes. "Eles (os artistas e técnicos) não usam somente sua voz e, cada vez, amparados no desenvolvimento tecnológico, conseguem colocar a gente dentro da animação. Trabalhar com e para crianças é mais exigente do que parece."

CANNES, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2014 | 02h08

Foi um dia de astros e estrelas de Hollywood nas coletivas de Cannes - Ryan Reynolds e Rosario Dawson pelo filme de Atom Egoyan, The Captives; Cate Blanchett, pelo de Dean Deblois, Como Treinar Seu Dragão (2). Vale voltar a uma fala de Rosario em Cativas, quando ela diz ao colega que vira o rosto para não ver, na internet, o horror que os pedófilos fazem com crianças. Egoyan não mostra para a gente o que revolta seu personagem, mas a diretora israelense Keren Yedaya o faz em Loin de Mon Pere, Longe de Meu Pai, que integra a seleção oficial na seção Un Certain Regard.

Em vários momentos, o repórter desviou o olhar da tela, porque o que estava vendo beirava o insuportável. Longe de Meu Pai é o candidato a filme escândalo deste ano por apresentar o pior ser humano do mundo numa ficção. Moshe é o personagem, vamos salvaguardar o ator, que faz tão bem o papel que deixa o público revoltado. Longe de Meu Pai encara o tema-tabu do incesto. Conta a história de uma garota amante do próprio pai. Ele abusa dela, mas, apesar disso, a garota o idolatra. Morre de ciúmes e, quando ele traz a namorada para jantar, ela some de casa e vai parar no meio de um bando de jovens, na praia, e eles, naturalmente, também abusam dela.

Este ano, o começo está sendo duro. A história de uma prostituta velha e gasta que não quer largar o cabaré (Party Girl), o pai abusivo do filme de Karen Yedaya. A diretora situa sua história em Israel, mas diz que ela é universal. É de chorar sobre o estado do mundo. / L.C.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.