Um corretivo para Amy Winehouse

Cinco meses sem escândalos e uma coletânea de canções semiacabadas bastam para mudar a nossa percepção de Amy Winehouse. Esta reorganização do que nos vem à mente quando acessamos o arquivo "Amy: Diva Problemática" é proporcionada pelo seu primeiro lançamento póstumo, Lioness: Hidden Treasures, que chega às lojas do País nesta quarta-feira. O que volta a se cristalizar é a superioridade de interpretação que Amy teve perante suas contemporâneas, sejam elas rainhas do pop açucarado ou herdeiras de seu revival, como Adele. Um apanhado de demos e faixas inacabadas, selecionado por Mark Ronson e Salaam Remi, produtores de Amy, compõe o disco, e mostra a maturação de sua voz durante a breve carreira de apenas dois discos (Frank, de 2003 e Back to Black, de 2006). Covers como Will You Still Love Me Tomorrow, das Shirelles, gravado pela cantora em 2004, lembram seu fraseado elástico (digna herança de Billy Holliday e Dinah Washington) antes de atingir o ápice. Em uma versão de Garota de Ipanema, a cantora toma liberdades e improvisa um scat quando a letra chega no traduzido "when she passes goes 'ah!'".

ROBERTO NASCIMENTO , O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2011 | 03h06

Em uma versão de Body and Soul, gravada com Tony Bennet, a versatilidade é óbvia, como se Amy pudesse tranquilamente ter seguido carreira como cantora de standards. Na demo de Valerie, que viraria hit em Back to Black, é possível ouvir Mark Ronson aprimorando os arranjos de soul contemporâneo que marcariam o estilo da Dap Tone. Em Like Smoke, que faria parte do terceiro disco da cantora, há apenas alguns vocalizes, mas a participação do rapper Nas, junto à batida esperta, nos faz contemplar o que teria sido de Amy se não tivesse sucumbido às substâncias. No entanto, a canção que se destaca é A Song For You, com voz curtida no álcool e a catalisação dolorida que coloca a cantora bem acima das outras.

AMY WINEHOUSE

LIONESS: HIDDEN

TREASURES UNIVERSAL Preço: R$ 29,90

ÓTIMO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.