Um conto bem brasileiro

Sai de cartaz neste fim de semana, no Centro Cultural São Paulo, uma das melhores peças infantis de 2002, Por Que o Mar tanto Chora, a cargo do grupo As Meninas do Conto. Por essa peça e por A Princesa Jia, que apresentou no primeiro semestre, o grupo acaba de ganhar o Grande Prêmio da Crítica, conferido pela Associação Paulista dos Críticos de Artes, a APCA.O trabalho da companhia, que existe há sete anos, é baseado na linguagem dos contadores de histórias. Mais uma vez, a história escolhida é de uma delicadeza que emociona a platéia de todas as idades. O enredo é o mesmo de duas histórias parecidas do folclore brasileiro, uma compilada por Sílvio Romero (Dona Labismina) e a outra por Câmara Cascudo (Bicho de Palha).A "brasilidade" dos contos é um dos trunfos do espetáculo. O casal de reis, por exemplo, carrega no sotaque nordestino. A princesa vai aos bailes sem ser convidada, como Cinderela, e usa vestidos que nada têm a ver com a pompa dos castelos nórdicos ou com a estética dos estúdios Disney.O talento das atrizes para a improvisação logo salta aos olhos. Elas narram mais do que interpretam, mas há teatralidade em tudo. O ritmo cênico alia-se à interferência de belas canções (ritmos bem brasileiros, claro) e a uma estetização bem arquitetada, que acrescenta informação, em vez de só embelezar o palco. Os trechos em que as moças descem ao palco para "brincar" com a platéia são de bom gosto, sem chegar aos perigos da inconveniência.Destaque-se a coragem do grupo na escolha da trama: não há exatamente o que se pode chamar de final feliz. A resposta para o título da peça, por que o mar tanto chora, é melancólica e triste.Por Que o Mar tanto Chora. Sábado e domingo, às 15 horas.R$ 6,00 (preço único). Centro Cultural São Paulo ? Sala Paulo Emílio Salles Gomes. Rua Vergueiro, 1.000, tel. 3277-3611. Até domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.