Divulgação
Divulgação

Um canteiro de obras

Novos projetos e reformas tentam suprir carência por espaços cênicos

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2011 | 00h00

Com alguns de seus maiores teatros fechados, como o Cultura Artística, a oferta de salas na cidade fica ainda mais reduzida. O quadro dificulta, especialmente, a circulação de grandes produções. Mas muitos são os locais que devem reabrir ainda neste ano - prefeitura e governo do Estado prometem entregar ao menos três teatros reformados até junho - e há também novos espaços previstos.

Ambiciosa, porém sem data certa para sair do papel, é a proposta de construção do Complexo de Dança Nova Luz. Assinado pelo escritório suíço Herzog & De Meuron, o projeto contempla a construção de três salas, para atender a diferentes formatos de espetáculos, e com capacidade de receber quase 3.000 espectadores: um teatro para montagens de dança e ópera, com 1.750 lugares, uma sala para recitais e peças de teatro de prosa, com 600 lugares, e um teatro experimental, que pode receber várias configurações de palco e abrigar até 400 espectadores.

Com 100 mil m² de área construída, o teatro deveria ser concluído em dezembro de 2015. Desde o início deste ano, porém, é incerto o destino do complexo. De acordo com a secretaria de Estado da Cultura, a proposta orçada em R$ 600 milhões ainda aguarda análise do governador Geraldo Alckmin. Atualmente, não se sabe quando as obras vão começar, nem se o projeto será, de fato, realizado.

Também no centro da cidade, dois cinemas antigos devem se transformar em salas de espetáculos de grandes proporções. A Secretaria Municipal de Cultura planeja comprar e reformar o cine Marrocos, que se converteria em teatro para cerca de 1.500 pessoas, e o cine Art Palácio. O espaço, que atualmente funciona como cinema pornô, já está em fase final de desapropriação pela Prefeitura. A intenção é transformá-lo em uma sala nos moldes do Radio City Music Hall, de Nova York, destinado a shows, musicais e operetas.

O arquiteto responsável pela futura intervenção no Art Palácio é Paulo Bruna, o mesmo que assina o projeto de reconstrução do Cultura Artística. Depois do incêndio que destruiu completamente sua estrutura, em 2008, o teatro ainda busca recursos para se reerguer.

A primeira etapa do projeto, que prevê o restauro do painel de Di Cavalcanti está prestes a ser concluída. A segunda parte deve começar em breve. Os 75 milhões necessários para a reforma total do prédio, porém, ainda não estão assegurados. Inicialmente, a intenção era entregar o novo teatro em 2012, ano do centenário da Sociedade de Cultura Artística. Mas a própria entidade já admite que será difícil cumprir o prazo.

Enquanto as obras de grande porte não ficam prontas, projetos menores tentam dar conta da demanda. Ainda no primeiro semestre, serão inauguradas duas unidades do Sesc. No Sesc Bom Retiro e Santo Amaro, haverá teatros com capacidade para cerca de 300 espectadores, cada um. Bem próximo ao Sesc Bom Retiro, também será aberto, em abril, o complexo Salesiano, com três novas salas: o Teatro Grande Otelo, com 700 lugares, o Anfiteatro Elias Andreato, para 70 pessoas, e um porão, que acomoda 60 espectadores e deve receber companhias de repertório. "A intenção é funcionar a semana inteira, de terça a domingo", informa o diretor de Programação, Luciano Mattos.

Espaços já existentes também vão ganhar reforço. Neste mês, o Teatro Vivo transforma-se em espaço cultural. Deve começar a receber programação infantil, além de manter os espetáculos de teatro adulto, e ganhar um segundo espaço, para acolher montagens experimentais.

Uma das poucas salas da cidade com capacidade para receber grandes montagens, inclusive musicais, o Sérgio Cardoso será reaberto em junho. Em reforma desde agosto de 2010, a sala ganhou novos sistemas elétrico, de ventilação e de iluminação. Também houve melhorias nos camarins, nas poltronas e nos ambientes de circulação.

Também devem reabrir de cara nova os teatros Alfredo Mesquita, em Santana, e Martins Penna, na Penha. Segundo a Secretaria Municipal de Cultura, que administra as salas, ambas devem reabrir em junho, após receberem sistema de ar condicionado, tratamento acústico, cênico e obras de acessibilidade. A pasta também anuncia para 2011 a construção de novos espaços teatrais em Vila Prudente e Itaquera. Além disso, promete entregar, até o fim do ano, um centro cultural em Cidade Tiradentes.

NOVOS E REPAGINADOS - 2011

Teatro Municipal

Reabre a partir de junho.

Sesc Bom Retiro e Santo Amaro

Devem abrir em junho.

Complexo Salesiano

Três salas em abril.

Teatros Martins Penna e Alfredo Mesquita

Prometidos para junho.

Teatro Sergio Cardoso

Deve ser entregue em junho.

Teatro Vivo

Mais uma sala em março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.