Um breve estudo sobre a esperança
Imagem Gilberto Amendola
Colunista
Gilberto Amendola
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Um breve estudo sobre a esperança

É preciso ter esperança para poder quebrar a cara, dar um passo em falso. cometer os mesmos erros, tropeçar nas próprias pernas

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2021 | 23h00

A esperança é um mato sem cachorro. A esperança é uma marmita fria. A esperança é um controle remoto sem pilha. A esperança é um farol quebrado. A esperança é um avião que ainda não decolou.

Mas sem esperança não se levanta da cama. Sem esperança não se come uma coxinha de padaria. Sem esperança não se dobra uma esquina. Sem esperança ninguém começa um parágrafo.

Ainda que a esperança seja aquele doce que estragou na geladeira. Ainda que a esperança seja um dia de sol em plena segunda-feira. Ainda que a esperança seja o perfume que ficou na sua casa depois que ela foi embora. 

Mesmo que a esperança seja um bilhete de loteria jogado no lixo. Mesmo que a esperança seja um gol anulado pelo VAR. Mesmo que a esperança seja um celular fora da área de serviço.

É preciso ter esperança para poder quebrar a cara. É preciso ter esperança para dar um passo em falso. É preciso ter esperança para cometer os mesmos erros. É preciso ter esperança para tropeçar nas próprias pernas.

Nada é mais decorativo do que a esperança. Nada é mais nutritivo do que a esperança. Nada é mais repetitivo do que a esperança. Nada é mais exclusivo do que a esperança. Nada é mais radicalizado do que a esperança.

A esperança não tem algoritmo. A esperança não tem varanda gourmet. A esperança não tem vista para o mar. A esperança não leu todos os livros. A esperança não fala o mesmo idioma da Brigitte Bardot.

A esperança é o spoiler de um filme que você nunca pensou em assistir. A esperança é aquela última rodada antes da ressaca. A esperança é uma caixa de bombons sortidos em que só restou o Caribe. 

A esperança é um ‘oi, sumida’. A esperança é uma mensagem visualizada e ainda não respondida. A esperança é um e-mail que você ainda não abriu. A esperança é um suspense. 

Embora a eficiência da esperança nunca atinja os 100%, ela é o melhor imunizante contra dores nas costas e má digestão. A esperança é eficaz contra todas as variantes desta vida.

A esperança é vacina.

Agora, durma com uma esperança dessas!

*Gilberto Amendola é repórter do Estadão e observador da vida urbana

Tudo o que sabemos sobre:
vacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.