Um bom dia para pegar a estrada

Pink Martini em São José do Rio Preto e Piracicaba, Superchunk em Mogi das Cruzes e Sorocaba, Agnès Jaoui em Jundiaí e Ribeirão Preto. De novo a Virada Cultural Paulista tem bons trunfos internacionais, além de várias atrações musicais brasileiras de primeira linha, que compensam pegar a estrada neste fim de semana.

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2011 | 00h00

A cidade universitária de São Carlos concentra parte significativa da moderna canção brasileira, com destaque para Tulipa Ruiz, Do Amor, Karina Buhr, Arnaldo Antunes e Tiê. O novo rock verde-amarelo tem lugar de destaque em São José dos Campos, que recebe Pitty, Garotas Suecas e Les Pops, além das feras das cordas Toninho Horta e Arismar do Espírito Santo, do ascendente Curumin e do ídolo mato-grossense Almir Sater.

O rock é um dos pontos fortes da Virada Paulista deste ano, que se estende por 21 cidades do interior e duas do litoral. Uma das melhores bandas novas do gênero é a mineira Porcas Borboletas, que toca em Mogi das Cruzes na Avenida Cívica, mesmo palco onde vão se apresentar Numismata, Del Rey, Ultraje a Rigor e Superchunk. Com 12 álbuns lançados desde 1990, a banda americana é um ícone do indie, pioneira na fusão do pop com o punk.

Em entrevista ao Estado, a vocalista Laura Ballance disse que embora o som da banda tenha se modificado ao longo dos anos, ao vivo eles sempre tocam material antigo, portanto, nunca perderam aquela "energia adolescente". Em 2010 o grupo voltou a gravar depois de nove anos longe dos estúdios. O elogiado novo álbum, Majesty Shredding, saiu recentemente no Brasil.

Nesse hiato, eles criaram um selo que tem no elenco as ótimas bandas Arcade Fire e Caribou, entre outras. Essa é a terceira vez que a banda se apresenta no Brasil. Da primeira vez em São Paulo, quando tocou num galpão abandonado, Laura lembra que tomou muitos choques, mas que mesmo em situações como essa "tudo vale a pena". Até porque o público ficou alucinado com o som deles e agora não deve ser diferente.

Outra mulher, China Forbes, é o principal atrativo da glamourosa big band Pink Martini, inédita em palcos brasileiros. Misturando diversas tendências, incluindo música latina e brasileira, a banda ficou famosa pelo hit Sympathique. Em entrevista ao Estado, o líder da banda e violonista Thomas Lauderdale disse que está um pouco intimidado de tocar no Brasil. "Espero que gostem da gente por aí." Vamos lá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.