Um belo Carlão e Poe, por Corman

Super-Herói - O Filme

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2013 | 02h13

16H05 NA GLOBO

(Superhero). EUA, 2008. Direção de Craig Mazin, com Drake Bell, Sara Paxton, Christopher Mcdonald, Kevin Hart, Brent Spiner, Jeffrey Tambor.

Picado por libélula gigante, garoto adquire superpoderes e vira vigilante na luta contra o mal. O tom é de paródia aos filmes de super-heróis. Dá para rir um pouco. Reprise, colorido, 75 min.

A Verdade Nua e Crua

22H50 NA GLOBO

(The Ugly Truth). EUA, 2009. Direção de Robert Luketic, com Katherine Heigl, Gerard Butler, Bree Turner.

O retrato perfeito do que antigamente se chamava de porco chauvinista, mas hoje é só mais um cara escroto, Gerard Butler é contratado por emissora de TV que escala, para comandar seu show uma produtora feminista, Katherine Hegl. A guerra dos sexos é temperada com linguajar chulo (mas que a dublagem atenua). O elenco ajuda e o programa fica razoável, mas não muito mais que isso. Reprise, colorido, 96 min.

1929: A Quebra

0H NA CULTURA

(The Crash). França, 2009. Direção de William Karel.

Documentário que reconstitui os eventos que levaram à quebra da Bolsa de Nova York em 1929 e o que se seguiu depois, lançando os EUA na depressão econômica. Embora superficial, o programa fornece uma visão geral interessante das flutuações da economia e do estado geral do mundo na época. Na Europa, o nazismo firmava-se com a promessa de tirar a Alemanha do buraco sem fim em que fora lançada após a 1.ª Grande Guerra. Reprise, colorido e preto e branco, 52 min.

Falsa Loura

2H45 NA GLOBO

Brasil, 2007. Direção de Carlos Reichenbach, com Rosanne Mulholland, Caua Reymond, Mauricio Mattar, Djin Sganzerla, Leo Aquila, Susana Alves.

Podem-se discutir alguns filmes do gaúcho que se fez paulistano Reichenbach, mas ele foi um autor importante - e um cinéfilo apaixonado. Este é um de seus melhores filmes, e Rosanne Mulholland é ótima como operária que se envolve com astro da música brega. Carlão, como era chamado, amava o diretor italiano Vallerio Zurlini. Ecos dessa preferência pessoal invadem, como cla\rões, o belo programa da Sessão Brasil, na Globo. Inédito, colorido, 105 min.

TV Paga

Agora Seremos Felizes

14 H NO TCM

(Meet Me in Saint Louis). EUA, 1944. Direção de Vincent Minnelli, com Judy Garland, Margaret O'Brien, Lucille Bremer, Tom Drake, Mary Astor.

Você não precisa ser fã de musicais para entrar no clima dessa crônica que também é aquilo que, nos EUA, se chama de 'Americana' - uma fatia da vida e do temperamento nacionais. A história segue uma família em Sat. Louis, em 1903, no ano da Grande Feira Mundial. Judy canta The Boy Next Door e Have Yourself a Merry Little Christmas, mas não adianta - Margaret O'Brien, como sua irmã caçula, rouba a cena (e até ganhou um Oscar especial). O diretor Minnelli, que se casou com Judy e ambos tiveram a filha Liza Minnelli, foi um dos grandes de Hollywood, deixando impressa a marca de seu talento em dramas, comédias e, claro, musicais. Reprise, colorido, 113 min.

A Vida Marinha com Steve

Zissou

22 H NO TELECINE CULT

(The Life Aquatic with Steve Zissou). EUA, 2004. Direção de Wes Anderson, com Bill Murray, Owen Wilson, Cate Blanchett, Anjelica Huston, Willem Dafoe, Jeff Goldblum, Bud Cort, Seu Jorge, Seymour Cassel.

A maioria da crítica vai concordar que este é um trabalho meio preguiçoso do diretor Anderson - de A Excêntrica Família Tennenbaum e Moonrise Kingdom -, mas toques da personalidade especial do autor afloram na história de um documentarista no estilo de Jacques Yves Costeau. Interpretado de forma lunar (lunática) por Bill Murray, ele descobre a existência de um filho de 30 anos. A relação dos dois, e com as mulheres, o trabalho - a vida marinha que documentam - rende um filme rico em observações sobre a família (que, como tema, interessa tanto a Anderson). É verdade que o relato é disparatado, mas para o espectador brasileiro há um regalo - Seu Jorge atua e recria, na guitarra, velhos êxitos de David Bowie. Reprise, colorido, 118 min.

O Corvo

1H05 NO TCM

(The Raven). EUA, 1963. Direção de Roger Corman, com Vincent Price, Boris Karloff, Peter Lorre, Hazel Court, Jack Nicholson.

Um grande autor de ficção científica, Richard Mathison, inspirou-se no conto de Edgar Allan Poe para escrever o roteiro que o diretor e produtor Corman transformou em um de seus melhores filmes (e não apenas da série de nove baseados no mestre do gótico, para não dizer terror, nos EUA). O filme é muito engraçado ao retratar a rivalidade entre dois mágicos, Vincent Price e Boris Karloff, culminando no duelo para ver quem é o melhor. Peter Lorre, Jack Nicholson (em começo de carreira) e a bela Hazel Cortt, todos contribuem. Só como curiosidade - na recente entrevista ao Estado, Nicolas Cage elogiou Corman como um talento que não foi devidamente reconhecido em seu tempo, sendo visto só como um autor excêntrico de filmes baratos. Reprise, colorido, 86 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.