UM AMOR DE HORROR

Nos tempos atuais, histórias de terror que se utilizam de casas mal-assombradas já correm risco do fracasso antes mesmo de serem lançadas. O ambiente batido e pouco inovador ganhou certo frescor nas mãos de Ryan Murphy ao lançar a série American Horror Story, em outubro de 2011 nos Estados Unidos. Sucesso de audiência, o box da primeira temporada chega hoje às lojas e todo o Brasil.

GABRIEL PERLINE, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2013 | 02h12

Na trama, a família Harmon decide se mudar de Boston e buscar uma nova vida em Los Angeles. Ben (Dylan McDermott) e Vivien (Connie Britton) encontram a casa ideal: grande, bem localizada e por um preço muito abaixo do mercado. Eles apenas não se atentaram ao histórico do local, que guarda uma série de histórias de assassinatos e conta com uma vizinhança pouco convencional.

A começar pelo adolescente Tate Langdon, interpretado por Evan Peters. Ele inicia um tratamento com Ben, é diagnosticado como psicótico e se envolve com Violet (Taissa Farmiga), filha do casal. Diante do quadro clínico, os pais da garota tentam impedir a aproximação, sem saber que o garoto, na verdade, é um fantasma. "Tate foi um personagem divertido, porque eu podia agir como louco e lidar com questões interpessoais", disse o ator ao Estado.

American Horror Story foi a melhor estreia de 2011 na TV americana. Apesar do tema macabro e incontáveis litros de sangue derramados pelos sets, caiu nas graças do público e o fantasma psicótico virou o grande preferido da audiência, colecionando fanpages nas redes sociais. "Não imaginava que iria ganhar fãs em todo o mundo. Estava em Paris e me reconheceram. Fiquei encantado e muito lisonjeado. Acho que o público gostou de Tate porque ele realmente amava Violet e se não fosse pela morte, estupro e por ser um fantasma, teria sido um ótimo namorado."

Apesar de ser responsável por muitas das cenas macabras da série, Peters sempre teve medo de assistir a produções do gênero. "Trabalhar nos bastidores de um show assustador me fez apreciar filmes e séries de terror, porque você vê o duro trabalho que é preciso fazer para que seja assustador. Ainda fico com medo de assistir e não há nada que possa diminuir esse medo quando o projeto é benfeito." Apesar da tensão nos estúdios, Evan garante não ser assombrado por seu próprio fantasma. "Deixo o trabalho no trabalho para que eu possa dormir tranquilamente."

Outra razão do sucesso da série é a atuação da veterana Jessica Lange, que conquistou um Globo de Ouro e um Emmy por sua atuação na primeira temporada. "Trabalhar com Jessica é um sonho para qualquer ator. Ela é mestre em seu ofício. Quando ela está trabalhando, você se cala e ouve, e ela te leva ao coração da cena. É algo inexplicável que ela tem e é sinceramente surpreendente de se observar."

Atualmente, a Fox Brasil exibe a segunda temporada da série. Completamente reformulada, a história se passa em um hospício para criminosos. Evan deixa de ser fantasma para viver Kit Walker, acusado de matar sua mulher e outras duas mulheres. "É um bom rapaz, que lutou contra as injustiças e por seus direitos", avalia. Para a terceira fase, prevista para outubro deste ano, o ator faz mistério sobre o novo personagem. "Você precisará assistir para descobrir."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.