Último fim de semana do Balé da Cidade em SP

Este é o último fim de semana para conferir a minitemporada do Balé da Cidade. A coreografiaescolhida para esses três dias foi criada por Denise Namura e Michael Bugdahn especialmente para a companhia: Como se não Coubesse no Peito. O namoro entre o Balé da Cidade e os artistas radicados na França começou na gestão anterior, com Ivonice Satie. A idéia era elaborar um espetáculo que tivesse as característicasdesenvolvidas pela Cie. A Fleur de Peau - a dança teatro. Pela primeira vez o grupo interpreta uma peça como essa, um desafio, uma vez que a linguagem é absolutamente nova para os bailarinos.Os coreógrafos levaram dois meses para desenvolver o roteiro e as técnicas. De acordo com Denise e Bugdahn houve grande colaboração dos intérpretes. A partir do tema amor, cadaum trouxe experiências pessoais, informações e idéias de movimentos. Diante desses dados, chegou-se à conclusão que seria interessante trabalhar com a proposta do quanto é díficil amar.Frases prontas, clichês e ditos populares, como "ele não larga do meu pé", por exemplo, foram os motes dos esquetes apresentados ao público. Como se não Coubesse no Peito foiconcebida de maneira cômica e poética, traz à tona o lado patético do amor. O clima é dado por meio de canções românticas dos anos 40 e 50."A coreografia volta ao Municipal, local onde estreou e teve um dos maiores retornos do público", comenta a diretora do Balé, Monica Mion. "Essa pequena temporada serviu para mostrarum pouco daquilo que produzimos neste ano."O balanço do Balé da Cidade é positivo, chegou apraticamente cem espetáculos. "Foi um ano intenso, dançamos em lugares diferentes, como no Festival de Joinville e na Bienal de Fortaleza, tivemos estréias e remontagens, fizemos audição, oque permitiu uma ampliação do corpo de baile, além de termos passado por um processo de adaptação", avalia Monica.Na agenda ainda há espaço para o Circuito Cultural, uma programação em ginásios e escolas, incluindo aí, temporadas em Alegrete, no Rio Grande do Sul, Santo André e Mauá. Para o anoque vem, a diretora pretende pôr em prática projetos como levar a dança para diferentes locais, com o intuito de popularizá-la.Balé da Cidade de São Paulo. Sábado, às 17 horas; domingo, às 11 horas; segunda-feira, às 21 horas. De R$ 2,00 a R$ 8,00. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, tel. (11) 222-8698. Até 3/12.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.