Último Cukor, primeira Meg Ryan

Nossa Querida Babá: O Conto de Fadas Continua

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2010 | 00h00

15H40 NA GLOBO

(Au Pair II: Aka The Fairy Tale Continues). EUA, 2001. Direção de Mark Griffiths, com Gregory Harrison, Heidi Lenhart, Jake Dinwiddie, Robin Dunne.

A babá Jenny conquista o coração do patrão milionário - e os de seus dois filhos pequenos. Mas os filhos do sócio do ricaço ameaçam embaçar o casamento. Sequência da fantasia romântica que o próprio diretor Griffiths fez em 1999, com a mesma dupla - Gregory Harrison e Heidi Lenhart. Reprise, colorido, 92 min.

Driblando o Destino

22 H NA REDE BRASIL

(Bend it Like Beckham). EUA, 2003. Direção de Gurinder Chadha, com Parminder K. Nagra, Keira Knightley, Juliet Stevenson.

Garota de ascendência indianas sonha fazer carreira no futebol, como seu ídolo David Beckham. A família quer que ela siga a tradição e se case. O título brasileiro deixa claro que a heroína vai tentar driblar seu destino. O filme é simpático (e tem certa graça). Reprise, colorido, 110 min.

Esquecido Papai

23 H NA CULTURA

(Forgetting Dad). Alemanha, 2008. Direção de Rick Minnich e Matt

Sweetwood.

O cinema contou muitas histórias de homens e mulheres que perdem a memória, a maioria em chave ficcional. Este é documentário e passou no 14º É Tudo Verdade. Mostra homem que, após sofrer uma amnésia provocada por um acidente de carro, constrói nova vida, com nova família. O mais impressionante dessa história, portanto, é que é real. Reprise, colorido, 84 min.

A Fronteira

23 H NA TV BRASIL

(La frontera). Peru, 2010. Direção de Salomón Senepo González.

Outro documentário, este rodado no Brasil, nos EUA e no México, sobre brasileiros que tentam atravessar a fronteira norte-americana de forma ilegal, na esperança de uma vida melhor. O curioso é que, se você for procurar na internet, vai encontrar uma ficção com o mesmo título - A Fronteira, de Xavier Gens, o outro filme, é sobre aborto (o tema da moda no Brasil), mostrando garota que quer abortar e vai parar numa clínica de canibais neonazistas. O horror, o horror. Inédito, colorido, 52 min.

Intercine

2H05 NA GLOBO

A emissora exibe o preferido do público entre - Ruas Selvagens, de Scott Kalvert, com Stephen Dorff, Brad Renfro e Fairuza Balk, sobre a guerra de gangues que ensanguentou o Brooklyn, em Nova York, no verão de 1958; e O Segredo do Abismo, de James Cameron, com Ed Harris, Mary Elizabeth Mastrantonio e Michael Biehn, sobre casal

em crise que fortalece a união numa aventura no fundo do mar, onde os dois, como cientistas, investigam estranha ocorrência que pode estar ligada à existência de Ets.

O Pimpinela Escarlate

3 H NA REDE BRASIL

(The Scarlet Pimpernel). EUA, 1999. Direção de Patrick Lau, com Richard

E. Grant, Elizabeth McGovern, Martin Shaw, Ronan Vivert.

O romance da baronesa Orczy

já havia sido vertido para o cinema com Leslie Howard e Merle Oberon em 1934. Na França do século 18, aristocrata leva uma vida dupla. Ao mesmo tempo que se faz passar por dândi efeminado, o herói leva uma vida secreta, combatendo a Revolução Francesa. Por reacionária que pareça a história, o livro é famoso. Houve uma versão para TV nos anos 1980 e, depois dessa, os ingleses já anunciam no-va adaptação, que está sendo feita por Michael Armstrong.

Reprise, colorido, 90 min.

TV Paga

O Abraço Partido

22 H NO TELECINE CULT

(El Abrazo Partido). Argentina, 2004. Direçlão de Daniel Burman, com

Daniel Hendler, Adriana Aizemberg, Jorge D"Elia, Sergio Boris.

Daniel Hendler faz jovem que ainda vive à custa da mãe. Disposto a conseguir um passaporte europeu - para construir uma vida na Europa -, ele investiga seu passado e topa com esse pai misterioso que, nos anos 1970, foi fazer a guerra em Israel. Os temas familiares atraem o diretor argentino Burman, que é muito bom. É dele Dois Irmãos, em cartaz nos cinemas, e também Leis de Família, com Hendler, que a TV (a Mostra, na Cultura) apresentou ontem. Como curiosidade, vale destacar que Jorge D"Elia foi o melhor coadjuvante no recente Festival do Rio, por seu papel em VIPs, de Toniko Melo. Reprise, colorido, 97 min.

Ricas e Famosas

1 H NO TCM

(Rich and Famous). EUA, 1981. Direção de George Cukor, com Jacqueline

Bisset, Candice Bergen, David Selby, Hart Bochner, Steven Hill, Meg Ryan.

O último filme do grande Geor-ge Cukor também foi o primeiro de Meg Ryan, mas Jacqueline Bisset e Candice Bergen são as estrelas (e a companhia da primeira atriz também se encarregou da produção do filme). A história acompanha 20 anos na vi-da de duas mulheres que competem por tudo - amor e carreira. Apesar das disputas, ambas se mantêm amigas. Cukor despediu-se com um acurado estudo de comportamento da mulher moderna, pós-feminista. Embora gay de carteirinha, ou talvez por isso, as mulheres sempre o atraíram e ele fez filmes belíssimos para tentar decifrar seu mistério. Reprise, colorido, 117 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.