Daniela Souza/Estadão
Daniela Souza/Estadão

Última disputa por Kubrick

Peça mais cara do leilão com objetos da mostra em tributo ao diretor saiu por R$ 670

Clarice Cardoso, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2014 | 02h08

Uma concorrência acirrada, disputada nas dezenas, marcou o encerramento do leilão promovido pelo MIS - Museu da Imagem e do Som, ontem, com peças da cenografia da recordista exposição Stanley Kubrick. Em certos momentos, senhas erguidas e cifras gritadas simultaneamente pareciam até cena de cinema.

Reunindo cerca de 150 pessoas, Bota Fora Kubrick disponibilizou itens construídos pelo museu para compor as salas que traduziam o universo do cineasta norte-americano, morto em 1999, aos 71 anos. Entre eles, uma porta de madeira da sala do hotel de O Iluminado, um pôster de Lolita e beliches da sala Nascido para Matar para fãs do cineasta. Tudo com certificado de autenticidade atestando que estiveram na exposição inédita na América Latina, que atraiu público recorde de 80 mil pessoas.

O casal Sidnea Dias Ferreira Miranda e Maurício Miranda não apareceu para brincadeira. Visando peças como os castiçais de Barry Lyndon e as máscaras de De Olhos Bem Fechados, perdeu por pouco um monólito da sala 2001: Uma Odisseia no Espaço. A redenção veio no lote final, quando arremataram, por R$ 670, um lustre de metal cromado, com 21 lâmpadas, que estava no ambiente de Barry Lyndon.

"Pelas características da peça, custaria mais no mercado", justifica Maurício. "Fiquei interessada por sua beleza e, mais que isso, por remeter ao filme e ao Kubrick. Fui uma das que enfrentou quatro horas de fila para ver a exposição e agora terei parte dela em casa. Mesmo não sendo parte original do filme, é parte da cultura da cidade", justifica Sidneia.

O fascínio pela mostra do MIS também foi o que levou o ator Rodrigo Pasquali ao leilão. "Passei uma tarde toda imerso no museu e no universo do diretor. A mostra resgatava a memória emocional do filme ao mesmo tempo em que trazia a realidade dos bastidores de como ele foi feito. Só isso já justificaria vir atrás de adereços legais".

A ideia para o Bota-Fora surgiu semanas antes do final da exposição, quando André Sturm, diretor executivo do MIS, teve de começar a estruturar a desmontagem dos espaços. "Não faria sentido jogar no lixo peças que haviam conquistado um público tão cativo", afirmou um dos mestres de cerimônia da tarde, que ajudou a animar a plateia.

Por conta disso, diz, a proposta não era atingir somas substanciosas ou recuperar o investimento na confecção das peças. Alguns objetos, como o canapé cor-de-rosa de Lolita, custaram mais de R$ 2 mil, mas o lance inicial era de R$ 100 - foi vendido por R$ 380. A soma dos arremates atingiu cifra superior a R$ 8 mil.

Como o comprador era responsável pelo transporte das peças, muitos visitantes focaram em itens menores, que pudessem ser carregados com mais facilidade. De fato, esses foram os objetos que mais fizeram sucesso. Os principais destaques foram as máscaras de De Olhos Bem Fechados. Em questão de segundos, o preço simbólico de R$ 20 saltou para mais de R$ 450 - a mais cara saiu por R$ 470. Wallace Dutra tentou garantir a sua em diversas oportunidades. Finalmente conseguiu.

Também foi concorrido levar para casa um dos kits de cinco néons da sala Laranja Mecânica. Se o previsto era que custassem R$ 20, o lote mais caro foi de R$ 370. Desde o momento em que pegou sua senha, o diretor de cinema Fabricio Liporoni, 46, os tinha em mente. Depois de visitar a mostra três vezes, resolveu tentar a sorte. "Ter sido parte da exposição agrega valor a esse objeto. Sou fã do Kubrick, e gosto de ter em casa esse tipo de memorabilia, ainda mais em se tratando da obra de um gênio como ele." O plano deu certo: ele arrematou um dos lotes por R$ 350.

A próxima. Na semana que vem, o museu inaugura outra exposição bastante esperada e com potencial para se aproximar, se não bater, o recorde atingido por Stanley Kubrick: a primeira retrospectiva internacional sobre a carreira de David Bowie. Meses depois de o britânico lançar seu novo disco, The Next Day, é inaugurada em São Paulo a exposição criada pelo museu londrino Victoria and Albert que explora o excesso de referências e mudanças de sua vigorosa carreira.

OS RECORDISTAS

R$ 670

Lustre ‘Barry Lyndon”. Lance inicial R$ 100

R$ 600

Candelabro de chão ‘Barry Lyndon’. Lance inicial R$ 40 (outros lotes R$ 500 e R$ 430)

R$ 500

Óculos cenográficos em formato de coração ‘Lolita’. Lance inicial R$ 80

R$ 480

Par de castiçais de mesa ‘Barry Lyndon’. Lance inicial R$ 40 (outro lote R$ 450)

R$ 470

Máscaras de ‘De Olhos Bem Fechados’. Lance inicial R$ 20 (outros lotes R$ 450, R$ 430 e R$ 420)

R$ 380

Canapé cor de rosa ‘Lolita’. Lance inicial R$ 100

R$ 370

Néons ‘Laranja Mecânica’. Lance inicial R$ 20 (outros lotes R$ 350)

R$ 370

Porta quarto 237 ‘O Iluminado’. Lance inicial R$ 50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.