'Two Boys', uma nova ópera para a era de internet

O jovem compositor americano Nico Muhly quis demonstrar que a ópera não é apenas um gênero barroco ou romântico e que também pode, usando a imaginação, ser adaptada perfeitamente inclusive ao mundo da internet.

Joaquín Rábago, EFE

27 Junho 2011 | 15h42

Two Boys (Dois Rapazes, em tradução livre) é o título da coprodução da English National Opera, de Londres, com a Metropolitan Opera de Nova York, que pode ser vista na capital britânica até o dia 8 de julho.

Após Anna Nicole, de Mark Anthony Turnage, sobre a trágica história real de uma camareira e modelo da Playboy que se casou com um multimilionário 72 anos mais velho do que ela, agora chega a uma ópera com o mundo virtual dos adolescentes como tema principal.

Em Two Boys um rapaz assume uma série de identidades para buscar amor, sexo e inclusive instigar outro jovem a matá-lo. Assim como Anna Nicole, a obra também foi inspirada em um fato real que ocorreu no norte da Inglaterra em 2003.

Desde blocos carnavalescos até corais religiosos que evocam o mundo de Edward Elgar, a partitura de Muhly oferece momentos de grande beleza e complexidade orquestral aliados a outros mais prosaicos, salvos, no entanto, pela escritura para as vozes.

Dirigida com pulso forte por Rumon Gamba, a ópera de Muhly se beneficia da grande qualidade dos intérpretes, principalmente Joseph Beesley, que encarna o personagem central, e a vítima de suas maquinações, Brian, interpretado pelo tenor Nicky Spence. A meio-soprano Susan Bickley também merece elogios pelo papel de uma detetive.

Boa parte do sucesso do espetáculo é fruto do trabalho da Fifty Nine Productions, companhia especializada na integração de projeções, vídeo e imagens em movimento com ajuda das novas tecnologias.

O resultado é uma bela ópera, especialmente nas partes corais, com todos os rapazes carregando laptops que lhes iluminam o rosto, mas também pela forma como, graças às projeções, os cenários mudam rapidamente, transformando o quarto de Brian em uma rua ou uma delegacia.

Mais conteúdo sobre:
ópera Two Boys Nico Muhly

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.