TVs apostam em Atenas para crescer em 2004

Para a mídia, a Olimpíada de Atenas tem muito mais a oferecer do que as cobiçadas medalhas de ouro conquistadas pelos atletas: faturamento e investimento pesado de anunciantes. Bem mais rápido do que as obras na cidade que servirá como sede do evento - Atenas, na Grécia -, canais abertos e pagos começaram a se mexer para vender cotas de patrocínio e espaços comerciais para atrações e transmissões ligadas às competições. Os jogos são considerados o "empurrãozinho" que o setor precisa para crescer em faturamento comercial entre 5% e 10% este ano. Daí a pressa.A Rede Globo, que ao lado da Band detém os direitos de transmissão da Olimpíada na TV aberta, vendeu no início do ano praticamente todas as cotas de patrocínio oferecidas ao mercado. Bradesco, Ford, Kaiser, Nestlé e Visa compraram as cotas nacionais - cada uma custou R$ 18 milhões - da emissora. Além desse montante, a emissora também criou e vendeu um espaço especial, como se fosse uma contagem regressiva para cada transmissão dos jogos, que custou a bagatela de R$ 5,5 milhões.A Band, que não revela números, informa que vendeu também as cinco cotas de patrocínio de sua transmissão olímpica. A emissora promete abrir mais espaço do que a Globo para o evento, sob o pretexto de ter uma grade de programação mais maleável. Apesar de não ter direitos sobre a transmissão dos jogos, a MTV também colocará seu "dedinho" em Atenas. Paulo Bonfá e Fernando Meligeni podem ganhar programetes sobre a Olimpíada na emissora. Cotas de patrocínio das atrações estão à venda.Na TV paga, as cifras olimpícas também já começaram a chegar. O SporTV, que terá 4 canais com transmissão 24 horas por dia do evento, já vendeu suas quatro cotas de patrocínio. A ESPN Brasil - que também terá transmissão de todas as modalidades 24 horas ao dia - vendeu parte das cotas de patrocínio. Juntas, elas contabilizam mais de R$ 4 milhões. A Globo News terá nove programas especiais sobre a Olimpíada de Atenas, que serão patrocinados por Ford, Telemar e SempToshiba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.