TV - Papel do avesso

Andréia Horta, aposta da nova geração, nada tem de Valéria

CRISTINA PADIGLIONE , O Estado de S.Paulo

18 de março de 2012 | 03h10

OS MAIS VISTOS:

CULTURA

1º Viola Minha Viola 2

2º Jakers Avent. Pig. Winks 2

3º Matinê Cultura 1

SBT

1º Programa Silvio Santos 9

2º A Praça É Nossa 8

3º Tele Sena 8

GLOBO

1º Fina Estampa 39

2º Jornal Nacional 30

3º SPTV 2ª Edição 25

RECORD

1º Rei Davi 13

2º Domingo Espetacular12

3º Vidas em Jogo 12

REDETV!

1º Mega Senha 3

2º Superpop 3

3º Hebe 2

GAZETA

1º Mesa Redonda 2

2º Gazeta Esportiva 2

3º Edição Extra1

BANDEIRANTES

1º Santos X Corinthians6

2ª Brasil Urgente 2 5

3º Brasil Urgente 1 5

FONTE IBOPE: 1 PONTO = 60 MIL DOMICÍLIOS EM SÃO PAULO. SEMANA DE 27/2 A 4/3

Não é por nada, mas Andréia Horta responde como uma das maiores apostas entre as atrizes de sua geração. Há duas semanas no ar pelo novo folhetim das 6 da Globo, Amor Eterno Amor, faz cumprir sua terceira novela. Foi Alice na série homônima da HBO, esteve no folhetim Chamas da Vida, da Record, na minissérie A Cura, ao lado de Selton Mello, na Globo, e em Cordel Encantado, até desembarcar em Valéria, personagem que fecha o triângulo amoroso central da nova história de Elizabeth Jihn.

E o que há em comum entre a moça da ficção e a da vida real? "Nada", ela avisa. Melhor assim. "Não me interessa fazer só as coisas com que eu me identifico", diz a atriz ao Estado. Autora de respostas seguras, Andréia não titubeia: "Quando Rogério Gomes (diretor) me chamou para fazer a Valéria, pensei: 'Meu Deus, isso aqui eu vou ter que construir e brincar de construir'. Ela usa cabelo comprido, ela usa roupas muito curtas, ela usa esmalte cor-de-rosa brilhante, coisas que eu jamais usaria".

De temperamento forte, a personagem, filha de um casal dono de uma birosca na ilha de Marajó, é cabeça quente e não se acanha em protagonizar um bom barraco, como aprecia a audiência.

Liberdade & contrato. Andréia faz parte do elenco fixo da Globo, mas nem por isso se sente forçada a atender a todas as propostas feitas pela emissora. "Acho que em qualquer empresa há diálogo, e na Globo não é diferente. Tenho prazer em fazer o que eu faço", atesta.

Entre novela ou série, não há um gênero que se possa definir como mais fácil ou difícil. "O que muda, de uma série para uma novela, é o tempo que você pode elaborar - na série, é maior. Novela é outro tipo de exercício, mas não menos prazeroso. É muito excitante ter cada dia uma coisa, cada bloco uma coisa, e ao mesmo tempo lidar com o mesmo personagem durante nove meses. Num filme, a gente ensaia aquele roteiro; numa série, você também tem aquilo mais definido; na novela, não."

Por falar em cinema, Andréia pode engatar a novela, no fim do ano, com as filmagens do longa Muita Calma Nessa Hora 2, mas isso ainda é incerto.

Certa é a disposição da atriz para falar sobre o que faz, sem necessidade de frequentar ilhas, castelos ou camarotes que lhe assegurem publicidade na linha celebridade. "Tem coisas que não me interessaria em fazer", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.