TV Muro, a menor do mundo, quer crescer

A TV Muro, idealizada pelo mineiro Francisco Dario dos Santos, o Chiquinho, um aficionado por televisão, dá mais um passo em sua humilde caminhada. Anunciada como a menor do mundo - pode ser assistida em apenas 10 domicílios e pela vizinhança que se aglomera em frente à casa de Chiquinho, na cidade de Sabará, Minas Gerais -, a TV Muro ganha um importante parceiro, a STV Rede SescSenac de Televisão. Agora, além do único programa produzido por Chiquinho e sua equipe, o Jornal Legal, a TV vai transmitir programas educacionais e documentários, cedidos pela STV. O termo de cooperação foi assinado em julho e prevê uma troca de conteúdo."A intenção é proporcionar um intercâmbio de programação. O Chiquinho é muito criativo e precisamos valorizar, na prática, iniciativas como essas", diz o diretor de programação da STV, Robson Moreira. "Desta forma, permitimos que todo o Brasil conheça as peculiariedades de outras regiões", destaca. A STV é transmitida via cabo pela Net e via satélite pela DirecTV, Sky e TecSat.Segundo o diretor, a STV já enviou para a TV Muro algumas séries produzidas pela emissora, como O Mundo da Arte, Balaio Brasil e Fragmentos. O próximo lote de documentários a ser enviado para Sabará terá Raízes Brasileiras, O Mundo da Fotografia e Filhos, um programa sobre crianças e adolescentes. São programas curtos, de em média 20 minutos, para atender ao espectador da TV Muro, que normalmente assiste à TV em pé, na frente da casa de Chiquinho.A parceria parece já estar rendendo frutos. "O Chiquinho me ligou e disse que está sendo o maior sucesso", ressalta Moreira. Por enquanto, o pessoal da TV Muro ainda não enviou nenhum material para a STV. "Eles estão preparando um documentário especial sobre as lendas de Sabará e devem nos mandar até o próximo mês", explica o diretor. O programa da TV Muro deve ir ao ar em outubro, pela STV.Doações - A TV Muro foi montada em 1997. Na época, Chiquinho tinha uma câmera VHS, um videocassete, uma TV preto e branco e um link que encontrou sucateado no lixão próximo de sua casa. Gravava seu programa e mostrava para os vizinhos, na Rua São Francisco, em um aparelho de TV colocado em cima do muro de sua casa. Recentemente, ele conseguiu "ampliar" seu alcance para mais dez casas vizinhas. Depois de "descoberto" pela mídia, Chiquinho começou a receber doação de alguns equipamentos e hoje tem até uma equipe - um cameraman, uma repórter, uma produtora e um editor - para produzir o único programa da TV, o Jornal Legal. O cenário é montado em um cômodo de sua própria casa. "É um dom", acredita Chiquinho. "A gente não pensa em crescer com ela, mas crescer nela."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.