TV interativa avança na Europa

Enquanto o desenvolvimento da televisão interativa segue anêmico nos Estados Unidos, a onda pegou rápido na Europa. A tevê interativa tem instrumentos primitivos de busca e navegação pela Internet, se for comparada a um computador conectado à rede, mas o serviço atinge um meio com o qual as pessoas se sentem confortáveis. Além de sua rica fundação em vídeo, a iTV também é impulsionada por ofertas que alavancam o poder da rede e da comunicação instantânea.Os usuários europeus podem clicar nos textos dos noticiários da televisão, conferir as previsões de tempo e participar de vídeo jogos virtuais. Alguns até mesmo apostam - em tempo real - em competições esportivas. Eles também podem ser avisados quando acontecer um gol num jogo de futebol que passa em outro canal, a tempo de ver o replay. Em termos mundiais, o número de usuários da televisão virtual deverá crescer de 13 milhões em 2001 para 226 milhões em 2006, diz Shirley Brown, analista da Ovum Consulting.O sistema de satélite interativo da britânica BSkyB - controlada pela News Corp., de Rupert Murdoch - já possui 5 milhões de assinantes. O serviço similar do francês Canal Plus tem 1,5 milhão de usuários, sendo que o Canal Plus atua na Espanha, Itália, Bélgica, Polônia, Escandinávia e partes da África. A Ovum prevê que o número de famílias capazes de receber o sinal da televisão interativa crescerá dos atuais 62 milhões para 357 milhões em 2006 - enquanto a renda gerada pelas vendas subirá de US$ 58 milhões no ano passado para US$ 44,8 bilhões.

Agencia Estado,

22 de fevereiro de 2001 | 13h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.