Trupe brasileira faz sucesso na Holanda

Ator, diretor, dramaturgo, fundador da companhia de teatro de bonecos Munganga, Carlos Lagoeiro nasceu em Buenópolis, cidadezinha situada no norte de Minas Gerais e desde 1987 está radicado na Holanda. Mas isso não o afastou de suas raízes culturais como comprova o espetáculo Derde Oever (pronuncia-se derde úver) que poderá ser visto sábado e domingo no Sesc Pompéia. O título, em idioma holandês, pode ser traduzido literalmente por Terceira Margem e o espetáculo inspira-se no conto A Terceira Margem do Rio, de Guimarães Rosa. Lagoeiro o define como "criação poética para 1 ator, 17 bonecos e 100 canoas". Isso mesmo, ele leva para o palco cem canoas (de cerca de um palmo) feitas por um canoeiro das barrancas do Rio São Francisco, por onde ele ficou navegando por quase um mês. Por fim, convidou para dividir a direção Belo Lima, o bonequeiro da trupe brasileira Pia Fraus (Bichos do Brasil). No conto, acompanha-se o olhar de um menino que tenta compreender a inusitada atitude de seu pai, que abandona a família para viver solitário, dentro de uma canoa, nas águas de um rio. "O espetáculo tem aquela simplicidade com que as crianças criam desenhos no chão, porém é ao mesmo tempo muito complexo, porque permite muitas leituras. Lagoeiro, que já havia levado ao palco com sucesso outro conto de Rosa, Soroco, Sua Mãe e Sua Filha, tinha uma relação muito especial com essa história. "Sempre que lia A Terceira Margem, chorava copiosamente. Por isso decidi que não queria fazer uma simples adaptação do conto, mas contar um pouco de minha história através dele", diz Lagoeiro. O resultado foi aplaudido na Holanda e nos festivais de teatro de bonecos de Belo Horizonte e Canela. A amizade com Beto Lima começou na adolescência, em Belo Horizonte. De Buenópolis, Lagoeiro saiu aos 9 anos. Passou por Sete Lagoas, Belo Horizonte, Maceió, Recife e, finalmente, em 1980, Rio de Janeiro. Ali, até 1986, fez uma carreira regular de ator. Isso até integrar-se ao elenco de um espetáculo de grande sucesso, a montagem carioca de Bailei na Curva. Com essa montagem, participou do Festival do Porto e viajou por várias outras cidades de Portugal. "Terminada a temporada lá, resolvi visitar uns amigos na França e, dali, fomos para a casa de uma amiga de minha mulher na Holanda", conta Lagoeiro. Sua mulher, Claudia Maoli, também é atriz. E a amiga dela estava terminando um especialização em teatro/dança. "Nós três estávamos naquela crise comum aos brasileiros, loucos para voltar, morrendo de saudade. Nesse tempinho que faltava para ele terminar o curso, resolvemos criar um espetáculo, só para chegar ao Brasil com algo na bagagem", lembra. Assim criaram Uni Dune Tê um espetáculo que lhes deu o ´problema´ de receber uma crítica positiva num dos mais importantes jornais do país e, daí em diante, fazer um baita sucesso. "Depois de alguns meses adiando a volta, recebemos a proposta de um empresário e aí não deu para recusar. Ficamos." Assim nasceu a companhia Teatro Munganga, que hoje tem 13 espetáculos no currículo contando com Derde Oever. Voltar? "Saudade a gente tem, mas na Holanda o grupo tem subsídio do governo e sede. No Brasil há gente de talento, criações muito boas, porém as condições de produção são muito difíceis." Derde Oever - Direção de Carlos Lgoeiro e Beto Lima. Bonecos de Beto Lima. m10 anos. Sesc Pompéia - Galpão - 100 lugares. Rua Clélia, 93, 3871-7700. Sábado, 15h e 20h; domingo. 15h e 18h30. R$ 10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.