Imagem Vanessa Barbara
Colunista
Vanessa Barbara
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Trote

Eram aproximadamente 11 da noite quando um rapaz e uma moça entraram no 118-C. Estavam cobertos de tinta colorida, os cabelos gosmentos, as roupas sujas. Ficaram em pé junto à porta de saída, atravancando a passagem, e ela começou a falar em voz alta, como se anunciasse para o ônibus inteiro:

Vanessa Barbara, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2015 | 02h05

"Ai, eles me obrigaram a beber um troço no-jen-to, tinha até pimenta lá dentro!... Pimenta! E botaram as meninas pra andar de quatro numa fileirinha, fazendo elefantinho, sabe? Foi hilário!".

A cada meia dúzia de frases, a moça soltava uma risada exagerada, quase histérica, que ecoava pelas portas e janelas do coletivo. Pelo que pude apurar, era o dia mais feliz da vida dela. Os veteranos, além de forçar a tal bebida goela abaixo dos animadíssimos calouros, jogaram ovo e farinha na cabeça deles e os fizeram pedir dinheiro no farol para pagar uma cervejada.

Aumentando ainda mais o tom de voz, a moça descreveu as conversas que travou com os motoristas dos carros durante o trote no semáforo - "Acredita que ele pediu o meu telefone? Eu dei, né, mas falei que tinha que sair correndo porque os veteranos estavam me esperando com o dinheiro."

O rapaz pouco falou, mas confirmou haver passado pelas mesmas provações e deu a entender que também se achava no ápice de sua plenitude histórica. Mas a moça mal escutava o interlocutor, ocupada em divulgar aos passageiros todos os grandes momentos do dia - como se falasse de um ato de heroísmo ou de um instante de iluminação mística em que houvesse enxergado a face do Criador frente a frente, e tudo lhe fosse perdoado.

"Tinha até mandioca no troço que me fizeram beber!"

"Hãm?"

"É, tinha mandioca! E tipo, eu estou muuuuuito suja, meu cabelo está grudento, e lá em casa sei que não vai ter água, então imagina! Vou ter que dormir assim! Ah!", e gargalhava.

Sobre a faculdade em si, disse apenas que no dia seguinte as aulas começariam.

"Então, tem muita gente certinha, um pessoal que leva a sério, não tem quase ninguém tipo doidinha que nem eu. Hoje deixei o meu caderno com um menino que eu nem conhecia, só perguntei assim: Você vem amanhã? Leva o meu caderno? E deixei com ele, tipo, sei lá se ele vai amanhã... Ah, mas tinha uma menina que também é tipo doidinha que nem eu."

Cansados, os passageiros tentavam não escutar. Mas não havia como: quase gritando, a moça declarou que neste semestre teria aulas de anatomia, biologia e "cintologia". Ficou felicíssima ao descobrir que não teria mais que estudar matemática. E repetiu, embora ninguém tivesse perguntado:

"Pimenta! Tinha até pimenta no troço! Eles me obrigaram a comer pimenta, e me forçaram a tomar cachaça... E sabe o que mais? Eu vou me vingar. Já disse pra todo mundo que vou fazer igual com os bichos do ano que vem!".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.