Trosman Churba, moda argentina nos desfiles de SP

Jessica Trosman e Martin Churba são os mais famosos estilistas da Argentina, e os primeiros criadores de moda da América Latina a serem convidados a desfilar uma coleção na São Paulo Fashion Week - nova versão do MorumbiFashion - que inicia no dia 31, quarta-feira. A alquimia estilística Trosman Churba aconteceu no dia em que se conheceram e, desde então, tornaram-se amigos inseparáveis e sócios. Hoje, após quatro anos de muita labuta, a grife portenha mais de vanguarda veste Björk, Claudia Schiffer, a atriz Marisa Tomei e beldades do cone sul como Graziella Borges e Cecília Roth. Desde 1997, eles, que começaram vendendo para outras marcas sem assinar o nome, vêm desenvolvendo uma linha própria que é comercializada em Buenos Aires, na loja Trosman Churba, no badalado bairro de Palermo, em Nova York em templos do consumo como Barneys, Neiman Marcus e Hedra Prue, em Los Angeles na Curve, em Londres na Browns e Harvey Nichols. E ainda no Japão, Hong Kong, Kuwait e Porto Rico. Reciclagem sem retrô - A editora de moda argentina, Eugenia Rebolini, que trabalha com o maior fotógrafo de moda do país, Urko Suaya explica: "Suas coleções não se baseiam no luxo, mas na revalorização e na reciclagem de conceitos, que não tem nada a ver com o retrô." Victoria Lescano, jornalista do suplemento de Cultura do jornal O Clarín, diz: "Quando eles surgiram foi uma provocação ao minimalismo reinante. Martin também é ator de cinema e teatro e Jessica é uma fetichista do design do século 20". Com seu jeito de neo-Che Guevara, pronto para revolucionar o mundo fashion, Martin Churba explica que até 1995, o mercado argentino era muito difícil: "Não entendia de moda, comprava fora do país e copiava." Formado em Belas Artes, ele era obrigado a cruzar o Atlântico para vender seus trabalhos, que logo chamaram a atenção de um agente europeu do setor de têxteis e passaram a integrar as coleções da Reebok, de Romeo Gigli, de Roberto Cavalli e de Nino Cerrutti. Nessa mesma época, Churba vendeu várias criações para o paulistano, Carlos Slinger, que agora é um DJ de renome em Nova York, mas nos idos de 80 foi o dono da única boutique underground dos Jardins, a Liquid Sky. Jessica Trosman, 34 anos, é uma ninfa de madeixas douradas com ares de Woodstock, cursou a faculdade de moda da Universidade de Miami, vendeu muita camiseta até conhecer Churba quando as coisas, finalmente, começaram a fluir. No entanto, o empurrão definitivo ao trabalho dos dois foi dado pelo governo argentino, através de Dolores Navarro Ocampo, criadora do programa Apoio à Moda e Design Argentino, subsidiado pela Secretaria de Cultura argentina para promover no exterior estilistas do país . Famosos e sem grana - "Dolores nos convidou para participar da Semana de Alta-Costura de Roma e fomos aclamados como criadores de uma nova tendência da Nouvelle Couture," lembram rindo, pois suas criações foram publicadas na revista Collezione - bíblia italiana que publica os desfiles internacionais -, numa época em que não tinham nem mesmo como comprá-la. Depois vieram algumas vendas no Brasil, para a Forum e a Ellus. Em seguida, a loja no bairro de Palermo e depois as exportações. Hoje, a grife produz 15 mil peças por coleção, das quais a metade para o exterior. Para desenvolver a coleção Inverno 2001, a grife recebeu, pela primeira vez, apoio de um gigante do setor têxtil, a Dupont Argentina através da marca Lycra, mas, continua a ser apoiada pelo governo argentino. No desfile da dupla, no domingo dia 4 de fevereiro, estarão presentes o Ministro da Cultura Dario Loperfido, a Coordenadora de Moda da Secretaria de Cultura, Dolores Navarro Ocampo e o filho do presidente De la Rúa, Aito, (que não é o que namora a cantora Shakira). No dia 9, a marca desfilará pela primeira vez em Nova York no evento "7th on 6th". Arte para o cotidiano "O que nos interessa é descobrir tecidos novos e fazer moda feminina, moldada no corpo, mas com originalidade, que sejam comerciais. Fazemos arte para a vida cotidiana," explica Jessica. As criações desta dupla de pesquisadores de desenvolvimento têxtil são elaboradas a partir de tecidos brancos, retrabalhados em novas texturas. O glamour moderno de suas criações é feito de plissados, camuflados, tecidos plastificados e pedrarias que mudam de cor e de formas tubulares, como casulos que se abrem, revelando cores, texturas e imagens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.