Trombone veneno

Troy Andrews, de 24 anos, é o novo fenômeno da terra de Armstrong. E chega no dia 20

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

As coisas correm rápido para Trombone Shorty, mas velocidade é algo ao qual ele sempre esteve acostumado. Desde criança conhece os assoalhos do show biz: começou a tocar com a nata do jazz de New Orleans quando tinha menos de 10 anos (daí o apelido que carrega até hoje, "Shorty", baixinho). Não que seja um veterano: tem só 24 anos agora, mas já "duelou" com Wynton Marsalis, fez jams com os Neville Brothers e o Bonerama, foi paparicado por Stevie Wonder.

Há um ano, Trombone Shorty andava pelo mundo acompanhando Lenny Kravitz e, quando estava de volta à sua New Orleans natal, experimentava - na miúda - um novo coquetel de sons em clubes como o Tipitina"s e o House of Blues. Na usina musical de Shorty, rangia uma verdadeira simbiose de gêneros: bebop, funk, R&B, hard rock, hip-hop, soul, smooth jazz, brass-band songs, blues, ritmos afro-cubanos.

Este ano, o coquetel fermentou e Shorty agora está se desdobrando por aí: além de uma turnê mundial que o tem levado do Japão à Europa, tem de achar tempo para todo mundo que o requisita, do programa de TV de David Letterman aos críticos do New York Times. Isso não o incomoda, muito ao contrário. "Trabalhei minha vida inteira para isso", disse ao Estado.

O show. No dia 20, Trombone chega ao Brasil para participar do Bourbon Street Jazz Festival, no Bourbon Street. Seu nome de batismo é Troy Andrews, e chega com sua big band, a Orleans Avenue, que contém guitarra e baixo elétricos, bateria, percussão, sax tenor. Shorty usa seu trombone como uma guitarra (toca também trompete, teclado e canta), e além do repertório do seu estrelado novo CD, Backatown. produzido por Ben Ellman, do famoso grupo Galactic. Lenny Kravitz canta na faixa Something Beautiful, e é um desafio dizer a que gênero pertence (pianista Allen Toussaint toca em On Your Way Down).

Trombone Shorty é o novo fenômeno na terra de Louis Armstrong. Standards ressurgem com nervosismo e nova pulsação em suas notas, como a pungente St. James Infirmary e o clássico soul Let"s Get It On, de Marvin Gaye. Ele vem de uma tradicional família de músicos, como os Marsalis e os Batiste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.