Troca de direção adia "No Limite 3"

Uma troca na direção do No Limite 3 vai alterar não apenas o "desenho artístico" do programa - como define a Globo -, mas a data de estréia, que estava marcada para 23 de setembro. A idéia é que a atração vá ao ar até o fim de outubro. Outra mudança decidida esta semana: o prêmio para o vencedor - que antes era de R$ 300 mil - passa para R$ 500 mil, além do carro zero quilômetro. Só a locação, a cidade de Salinópolis, no litoral do Pará, foi mantida.A Globo resolveu trazer de volta ao programa o diretor Boninho, idealizador do projeto e que esteve à frente da primeira versão. O diretor-artístico Paulo Trevisan deixou o projeto na semana passada. A emissora faz questão de ressaltar, em comunicado à imprensa, que o programa continua sob responsabilidade da Central Globo de Produção e da Central Globo de Jornalismo, o que desmente os boatos de briga. É que na época da exibição da primeira versão, a direção do programa e a de jornalismo se desentenderam, levando ao afastamento de Boninho.Nas últimas reuniões de produção chegou-se a um consenso na expectativa de que No Limite 3 tenha o mesmo sucesso do primeiro, que bateu 50 pontos no Ibope. A mudança de diretores alterará não apenas o cronograma, como as provas já definidas.Bons finalistas - Mas o atraso não se deve apenas à troca na cúpula. Está havendo dificuldade em encontrar participantes com empatia suficiente para conseguir o ibope alto de No Limite 1. Mesmo com a ajuda do novelista Manoel Carlos, que deu palpites no processo de seleção, a produção ainda não definiu os 20 finalistas para que a direção escolha os 12 que vão passar 28 dias no Pará. "A idéia é encontrar gente com expressão e que não levante bandeiras ou queira usar o programa apenas para aparecer", diz um integrante da produção.Chegou-se a pensar numa pesquisa de opinião, mas, como o segredo sobre a identidades dos concorrentes é um dos grandes trunfos de No Limite, isso se torna impossível.Zeca fica - Embora haja um clima de indefinição em alguns setores do programa, Zeca Camargo continua à frente da atração. Pensou-se em ampliar sua participação no Fantástico, com a criação de um quadro novo. Com isso, Zeca teria de deixar a apresentação de No Limite. "Mas chegaram à conclusão de que ele já tem a cara do programa, e, neste momento, o melhor é apostar no que já é certo", comenta o funcionário.Em Salinópolis - também chamada de Salinas - a 220 quilômetros de Belém, os 38 mil habitantes estão em polvorosa, apesar do adiamento. "A cidade, que antes recebia cinco ou seis tours de excursões por mês, só no último fim de semana recebeu quatro", comemora o secretário de Turismo, Charles Mota Carneiro.Cem apartamentos do luxuoso Hotel Privê do Atalaia, numa das principais praias da cidade, a Atalaia, já foram alugados pela emissora para hospedar a equipe do programa. Agora, será construído um heliponto no local. Segundo o comerciante de souvenirs Jair Benedito da Silva, as lojas, restaurantes e quiosques da orla já estão se abastecendo para esperar o afluxo de turistas à região. "Nossa melhor temporada é em julho, mas, com No Limite e as festas do centenário e do Círio de Nazaré, outubro está prometendo", comenta.

Agencia Estado,

30 de agosto de 2001 | 11h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.