Triturar peixes vivos vira arte na Dinamarca

Triturar peixinhos vivos é arte também. É o que decidiu a Justiça dinamarquesa, julgando o caso do diretor de um museu em Kolding, a 200 quilômetros de Copenhage. Peter Meyer foi acusado de crueldade contra animais por conta de uma instalação interativa que permitia ao espectador liquidificar peixinhos vivos, bastando para tanto apertar um botão. Pelo menos um espectador apertou o botão, segundo a denúncia.Depois de ouvir um expert, porém, a Corte dinamarquesa decidiu que a morte do animal não constitui crueldade. Ao contrário, o processo foi considerado "instantâneo" e "humano". "É uma questão de princípio. Um artista tem o direito de criar obras que desafiam nosso conceito de certo ou errado", disse o diretor à BBC.A obra é assinada pelo dinamarquês Marco Evaristti. A idéia era apresentar ao público o dilema de optar entre a vida e a morte. Ao forçá-lo a uma "batalha de consciência", ele estaria criticando "o cinismo, a brutalidade que impregna o mundo onde vivemos", disse à BBC. Pelo sim, pelo não, após a polêmica os trituradores de peixinhos foram desligados. As informações são do site da BBC. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.