Trilhas do SBT driblam mexicanização

Diferentemente do produto principal, as trilhas sonoras das novelas que o SBT produzirá aqui não serão versões de originais mexicanas. No comando da tarefa fonográfica que caberá à emissora, Cayon Gadia já trabalha no processo de seleção das músicas que vão embalar as produções brasileiras baseadas em folhetins da Televisa."Serão músicas nacionais, nenhuma versão de música estrangeira", assegura Gadia. A idéia de encomendar temas específicos para os personagens das tramas é carta descartada. A escolha será feita a partir de gravações já prontas.Com selo fonográfico próprio e distribuição da Abril Music, o SBT tem curtíssimo prazo para colocar seus discos no mercado. As novelas serão menores, com duração de 80 a 90 capítulos, o que corresponde a apenas três meses no ar. Assim, a emissora terá de lançar a trilha sonora logo após a estréia de cada título, aproveitando para vender o peixe enquanto o folhetim estiver no ar. Até por isso, seria besteira tentar emplacar dois discos de uma mesma novela, como a Globo costuma fazer.Convém lembrar ainda que, como o SBT pretende produzir mais de um folhetim por temporada - o contrato com a Televisa prevê cinco horários diários de novelas -, será mais estratégico concentrar as trilhas em álbuns únicos. Gadia calcula cerca de 14 faixas para cada disco. O primeiro título da Televisa a ganhar versão brasileira pelo SBT é A Pícara Sonhadora. O elenco deve ser fechado na próxima semana e as gravações prometem começar na seqüência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.