Tribunal francês adia julgamento da Lacroix para 1o de dezembro

O Tribunal do Comércio de Paris adiou uma decisão sobre o futuro da grife Christian Lacroix para 1o de dezembro, disse o administrador da Lacroix nesta terça-feira.

REUTERS

17 de novembro de 2009 | 18h04

O adiamento aconteceu porque os principais compradores potenciais para a marca, o investidor do Golfo Hassan bin Ali al-Nuaimi e a francesa Bernard Krief Consulting, "não puderam mostrar a documentação certificando se os fundos necessários para a aquisição estavam disponíveis", disse o administrador Regis Valliot.

Se até 1o de dezembro os candidatos não conseguirem mostrar essa documentação, o plano de reestruturação submetido pela família Falic, que é dona da Christian Lacroix, seria implementado, acrescentou.

A grife, conhecida por seus vestidos coloridos ao estilo barroco, entrou com um pedido de proteção de crédito em maio depois de ser duramente atingida por um colapso global no consumo. A empresa não conseguiu lucrar em 22 anos.

Christian Lacroix já fez parte do grupo de produtos luxuosos LVMH, mas agora pertence à família Falic, que é dona do grupo de varejo norte-americano Duty Free Americas.

(Reportagem de Pascale Denis)

Tudo o que sabemos sobre:
MODALACROIXFRANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.