Arquivo/AP
Arquivo/AP

Tribunal dá razão a Naomi Campbell no processo contra 'Daily Mirror'

Jornal responde por reportagens publicadas em 2001 sobre tratamento de desintoxicação da modelo

EFE

18 de janeiro de 2011 | 15h16

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos considerou que o Reino Unido não violou o Convênio Europeu de Direitos Humanos ao condenar à editora do Daily Mirror pelos artigos publicados em 2001 sobre o tratamento de desintoxicação de drogas da modelo Naomi Campbell.

A sentença assegura que as reportagens do tabloide "não contribuíram para nenhum debate social de interesse geral" e acrescenta que a informação foi "prejudicial" e provocou um estado de "angústia" em Naomi.

Segundo o Tribunal de Estrasburgo, a informação supõe "uma intromissão desproporcional no direito à vida privada de Naomi Campbell".

Dos sete juízes da sala, seis votaram afirmando que não houve violação do artigo 10 (liberdade de expressão) do Convênio.

O Daily Mirror publicou em fevereiro de 2001 várias fotografias da modelo saindo de uma reunião de Narcóticos Anônimos, um centro de assistência em um bairro londrino.

A primeira sentença falhou a favor da modelo, mas esta foi revogada pelo tribunal de apelação, quando a Câmara deu a razão a Naomi.

Por outro lado, o Tribunal deu a razão à editora na queixa pelas elevadas despesas judiciais que teve que pagar e que incluíam os honorários que Campbell tinha acordado com seus advogados.

Após o processo judicial nos tribunais internos, a editora indenizou Naomi com 3,5 mil libras esterlinas (equivalente a 4 mil euros) e teve que se responsabilizar pelas despesas que chegaram a 1 milhão de libras (cerca de 1,2 milhões de euros).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.