"Três Segundos" reúne sonhos de Rafic Farah

Submerso a muitos pés, um submarino de tripulação exclusivamente masculina tem um de seus compartimentos invadidos por uma mulher nua. A mergulhadora utiliza apenas argolas de titânio presas em diferentes partes do corpo - o que possibilita sua sobrevivência em profundezas geladas de oceano. Encantado com a figura, o narrador acolhe a aparição dentro da nave e a esconde dos colegas. O capitão do submarino, entretanto, adivinha a presença da sereia-barbarela e exige sua companhia. Temendo pela integridade da bela mulher, o narrador, não menos desejoso de seus atributos sexuais, a devolve ao mar, em um gesto que descreve como sacrificante."Um psicanalista leria isso como uma libertação de si mesmo pela mulher", elucubra Rafic Farah, autor do pequeno roteiro erótico que, garante, nasceu de seus sonhos. Ao lado de outras cinco histórias de cunho amoroso e uma sobre a morte de seu pai, o artista gráfico vai publicar seus sonhos em um livro que pretende lançar no fim do ano sob o título de Três Segundos - "que é o tempo de duração de um sonho, dizem".Farah se deu conta do conteúdo ficcional de seus sonhos graças ao velho hábito de anotá-los. "Como assumo mil e um projetos ao mesmo tempo, acostumei-me a solucionar as questões de trabalho durante o sono. Por isso, sempre anoto o que sonho e o que passa nos momentos antes de sonhar", justifica. Embora tenha um interesse pessoal de longa data pelo tema amoroso - o artista é um inveterado colecionador de imagens românticas - sua convivência profissional com as questões entre os sexos tem aumentado nos últimos tempos. Um dos trabalhos que tem ocupado Farah é o projeto da revista TPM (Trip para Mulheres), que deve estar pronta ainda no primeiro semestre deste ano. "A gente quer chegar mais perto do coração feminino.""O mundo é projetado por homens para ser utilizado pelos homens", comenta o também arquiteto. "Mesmo as revistas femininas partem do princípio da exclusão. A TPM não leva em conta essa categorização, ela é contra esse princípio."Autor de imagens publicitárias marcadas pela sensualidade feminina (como dezenas de catálogos de moda das principais grifes de roupas nacionais), Farah quer construir em Três Segundos uma espécie de integração, uma trégua entre desejo, paixão e convivência entre homens e mulheres. Para tanto vai recorrer ao seu banco de cenas de amor, composto principalmente de reproduções em jornal de cenas de filmes que vão de Eu Sei Que Vou Te Amar a Sid e Nancy - O Amor Mata.Ainda sem editora e patrocínio, Farah pretende produzir a própria obra, como fez com o seu mais recente livro, Como Vi o Design de Rafic Farah, impresso pela Takano e distribuído pela Cosac & Naify, que chega à segunda edição (de luxo), custando R$ 110. Também este ano, Rafic Farah vai representar o Brasil em uma mostra de design em Paris e começa a trabalhar na Escola da Cidade, nova faculdade de arquitetura em São Paulo que vai funcionar sob a sua direção e cujo primeiro vestibular será realizado em julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.