Três novas peças infantis em SP

O universo das artes plásticas, um jogo entre a realidade e a fantasia com as histórias de Clarice Lispector e um triângulo amoroso que contrapõe o amor físico ao amor espiritual são os temas de três espetáculos dedicados ao público infanto-juvenil e que estréiam neste fim de semana. São eles A Mão, um musical criado e dirigido por Fernando Anhê, Quase de Verdade, de Ulisses Cohn, e O Menino Narigudo, de Walcyr Carrasco com direção de Markus Avaloni.Artista plástico e criador de outros dois espetáculos infantis, Imago (1999) e Espias (1997), o diretor de A Mão, Fernando Anhê, sempre teve vontade de trabalhar com a história da arte. Inspirado na descoberta de desenhos pré-históricos na caverna de Altamira, na Espanha, por uma menina no fim do século 19, que acompanhava o pai arqueólogo em suas pesquisas, o autor criou Maria, a protagonista de uma história lúdica e divertida, que estréia sábado, no Centro Cultural São Paulo.Curiosa, Maria pega seu lampião e entra numa fresta da rocha. Encantada com os desenhos que acabara de descobrir, ela encosta sua mão em outra estampada na parede. "Era muito comum o homem pré-histórico deixar o desenho de sua mão", conta Anhê. Como magia, a garota entra na caverna da criação humana e lá encontra diversas obras-personagens que vão tentar ajudá-la a desvendar o enigma da esfinge grega. Assim ganham vida, por exemplo, a Monalisa, de Leonardo da Vinci, As Bailarinas de Degas, e Os Girassóis, de Van Gogh.No palco, os 74 bonecos criados por Anhê - que variam de 40 centímetros a 3 metros de altura - dançam e cantam por meio da manipulação dos atores da Imago Cia. de Animação, que utilizam a técnica do teatro negro. A profusão de cores, formas e efeitos óticos, assim como os personagens e suas características, são ressaltados pela trilha sonora assinada pelo maestro Jamil Maluf. Com duração de 45 minutos, a música foi criada simultaneamente ao texto para percorrer toda a peça, com ritmos variados, incluindo samba e choro. "Em alguns momentos o próprio diálogo vira uma canção", explica Maluf, também autor das trilhas de Imago e Espias, que lhe renderam os prêmios APCA e Apetesp. Na estréia, amanhã, será lançado o CD com a versão original e integral da peça.Um ano após as comemorações do 80.º aniversário de nascimento da escritora Clarice Lispector (1920-1977), a Cia. Delas, composta por sete atrizes recém-formadas pelo Teatro Escola Célia Helena, estréia domingo Quase de Verdade, sob a direção de Ulisses Cohn, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM). Baseada em três livros infantis de Clarice, Quase de Verdade, A Mulher Que Matou os Peixes e A Vida Íntima de Laura, a peça mostra a escritora ainda menina, que resolve escrever um diário em resistência à ordem da mãe de dormir cedo.O Menino Narigudo, uma adaptação inédita do livro homônimo de Walcyr Carrasco feita por ele há dois anos, ganha o palco do TBC a partir de sábado. Dirigidos por Markus Avaloni, os atores Daniel Tavares (Cirano), Amanda Pinotti (Roxane) e Teo Barossi (Cristiano) levam ao público mais do que uma história de amor. Além de abordar temas comuns às crianças e aos adolescentes, a peça incentiva a leitura por meio de citações poéticas de Vinícius de Moraes, Fernando Pessoa e Cecília Meireles.A Mão. Com a Imago Cia. de Animação. Recomendada para crianças a partir de 4 anos. Duração 60 minutos. Sábado, domingo e feriado, às 15 horas. R$ 6,00. Centro Cultural São Paulo - Sala Jardel Filho.Rua Vergueiro, 1.000, tel. 3277-3611. Até 4/11. Estréia amanhã, às 15 horasO Menino Narigudo. Texto de Walcyr Carrasco. Direção de Markus Avaloni. Duração 60 minutos. Sábado e domingo, às 16 horas. R$ 12,00. Ingressos por telefone pelo 3191-0011 ou 0800 771 2391. TBC - Sala Assobradado (R. Major Diogo, 315. Tel. 3115-4622). Até 27/10. Estréia sábado, às 16 horasQuase de Verdade. Direção de Ulisses Cohn. Companhia Delas. Infanto-juvenil. Duração 60 minutos. Domingo, às 11 horas.R$ 10 00. MAM - Sala Lina Bo Bardi. Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n.º. Parque do Ibirapuera, portão 3, tel. 5549-9688. Até 25/11

Agencia Estado,

13 de setembro de 2001 | 17h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.