Três escritores israelenses pedem cessar-fogo

Três escritores israelenses fizeram um chamado ao governo do país para um cessar-fogo no Líbano antes que a situação "termine num abismo", enquanto cresce uma frente favorável à paz em Israel por parte de grupos de esquerda. Os escritores israelenses Amos Oz, Avraham B. Yehoshua e David Gorssman pediram ao governo israelense para responder de maneira positiva as propostas do primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, para um cessar-fogo. "É um chamado extremo, antes que a situação termine num abismo", disse David Grossman. Siniora propôs enviar o Exército libanês ao sul do país para que Israel se retire do território e suspenda a ofensiva militar contra o país, que provocou a morte de pelo menos mil civis. A decisão do governo israelense de ampliar a ofensiva militar terrestre até o rio Litani - e talvez até Nabatye e Arnun, perto da fronteira - também alarmou dois grupos de esquerda. Trata-se da organização não-governamental Paz Agora e do partido de esquerda Meretz, que no início do conflito tinham justificado a ofensiva militar no Líbano. Os escritores explicaram que seu objetivo é apresentar à opinião pública a urgência da situação no Oriente Médio. "Nosso chamado não é dirigido a este ou aquele ministro, mas a todo o governo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.