TRECHO

"A meio da vida Jorge deixa uma lista de coisas que hão de ser escritas. (...) Nem mil Jorges poderiam alguma vez preencher o que falta. O mundo é um vazio desmedido que não queremos...

O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2012 | 02h05

...e não podemos aceitar, os homens também, as cidades, os países (...). Não há palavras que encham tanto vazio. Os livros que deixamos são obras de filigrana, fios ténues de sentido que delimitamos o volume do que não entendemos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.