Trecho

"Na manhã em que o golpe começou, quase me tornei o primeiro terrorista suicida do mundo. Fui...

Entrevista com

, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2010 | 00h00

...acordado às 7h30 pelo rádio relatando movimentos incomuns de tropas. Alarmado, pulei da cama, tomei banho e me vesti depressa. Uma explosão ensurdecedora - depois nós compreendemos que fora o estrondo de um caça supersônico - sacudiu as janelas da nossa casa enquanto eu tomava café. O rádio nos informou que a Marinha chilena se rebelara em Valparaíso e que tropas do Exército ocupavam as ruas de Santiago. Embora ainda não fosse evidente, Salvador Allende, o primeiro e único presidente marxista democraticamente eleito, estava sendo deposto.

Peguei meu revólver 32 e corri para o quartel-general do Partido Socialista, uma casa do final do século XIX situada ali perto, na rua Grajales. (...) Em ocasiões anteriores, já tínhamos discutido o que fazer no caso de um golpe; minha primeira tarefa era recuperar as quatro bananas de dinamite que eu escondera na casa de meu amigo Marcos, e parti a pé para a rua Toesca, onde ele morava. Uma longa fila de caminhões militares passou roncando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.