Transtömer, poesia e música

Música e leituras de poemas marcaram a introdução do poeta sueco Tomas Tranströmer, na noite de quarta-feira, durante a cerimônia de apresentação dos vencedores deste ano do Prêmio Nobel. Números oferecidos pelo Coro de Câmara Gustaf Sjökvist, o Quinteto de Câmara Uppsala e um grupo de teatro liderado pela atriz Antolina Gutiérrez del Castro substituíram o tradicional discurso do laureado - nos anos 90, Tranströmer sofreu um derrame que prejudicou sua fala.

ESTOCOLMO, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2011 | 03h11

O secretário permanente da Academia, Peter Englund, elogiou seus poemas, "capazes, através de imagens translúcidas e condensadas, de dar acesso a uma nova realidade". "A boa poesia é algo muito poderoso. Pode mudar nossa maneira de ver o mundo, torná-la mais clara, concisa, compreensível. É impossível sentir-se insignificante após ler seus textos", completou.

Um dos momentos mais emocionantes da cerimônia foi a apresentação de uma gravação na qual o próprio Tranströmer lê o poema Solidão que, em seguida, foi recitado em espanhol, romeno, árabe e chinês por Antolina, uma maneira de ressaltar a "universalidade da poesia". Entre os números musicais, foram interpretadas obras de Franz Schubert e Franz Liszt, compositores caros ao poeta, que também é pianista e reconhece a influência que a música tem em sua criação poética. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.