Topa tudo por dinheiro

Diretor de A Fazenda fala da nova edição do reality rural

ALLINE DAUROIZ, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2012 | 03h09

Depois que a Globo foi pega de supetão com a acusação de um suposto estupro dentro do Big Brother Brasil, em janeiro, a 5.ª edição de A Fazenda estreia nesta terça-feira, às 22 horas, na Record, em meio a uma discussão: até que ponto a direção de um reality show deve interferir ou deixar rolar solta a "realidade" no confinamento? Na Globo, o diretor Boninho passou a brecar qualquer situação mais "quente" sob os edredons. Já a Record garante que o episódio na concorrente não vai mudar a condução de seu programa.

"Só três situações levam à expulsão na Fazenda: violência física intencional, violência contra os animais e pular os muros que limitam o território. Nenhuma regra extra foi adicionada depois do que aconteceu no último BBB", disse ao Estado o diretor Rodrigo Carelli.

Responsável pelas duas primeiras edições de Casa dos Artistas, no SBT, e pelas outras quatro temporadas de A Fazenda, Carelli sabe que, por fazer um programa sem roteiro, também está sujeito a polêmicas envolvendo os participantes, mas afirmou que A Fazenda continua sem ter regras que proíbam sexo e que, numa situação semelhante à da Globo, não iria interferir.

"Não fazemos juízo de valor. Se algo for considerado caso de polícia, deixaremos para a polícia e a Justiça resolver", disse. "Mas, nesse caso, todos os envolvidos resolveriam a situação fora do programa." Na Globo, apenas o participante Daniel Echaniz, que supostamente teria cometido o estupro, foi expulso. Monique Amim, a suposta vítima, permaneceu no programa.

Para esta edição do reality rural, Carelli aposta nas mudanças das regras que levam à eliminação, sem revelar quais surpresas estão reservadas já para o episódio de estreia. E é no fim da manhã de hoje que os 16 participantes famosos (e nem tão famosos) partem para o confinamento, a princípio, num hotel, e a partir de amanhã, na fazenda em Itu.

Apesar de os nomes só serem revelados na terça-feira, os mais cotados são: a cantora Gretchen, a ex-VJ da MTV Penélope Nova, a ex-Panicat Nicole Bahls, as modelos Ângela Bismarchi e Viviane Araujo, a ex-dançarina do Domingão do Faustão Roberta Portella, a ex-dançarina do Programa Raul Gil Simone Sampaio, a musa da Portela Shayene Cesário, o humorista Rodrigo Capella, a drag queen Léo Aquila, os cantores Vavá e Sylvio Blau-Blau, os atores Lui Mendes e Felipe Folgosi, o árbitro Diego Pombo e o modelo Ralph Santos.

"Levamos em conta a história de vida da pessoa, gente com potencial para um comportamento rico, mas o item número 1 para entrar no programa é querer ganhar R$ 2 milhões ", conta Carelli. "Claro que todo mundo quer dinheiro, mas queremos gente que tope tudo, que batalhe, nem que isso signifique dizer que o dinheiro não é o mais importante e que ele ou ela só estão ali para 'mostrar seu verdadeiro eu'."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.