Tomie Ohtake monta instituto em São Paulo

Tomie Ohtake, que desenhou com traço inconfundível seu nome no mundo as artes plásticas do País, está prestes a vê-lo inscrito num edifício que está sendo construído num quarteirão entre a Avenida Faria Lima e Pedroso de Moraes. Lá vai funcionar o Instituto Cultural Tomie Ohtake, com previsão de abertura a partir de setembro. Tomie nasceu em Kyoto, no Japão, em 1913. Veio para o Brasil em 1936 e é cidadã brasileira naturalizada. Começou sua carreira nas artes em 1951.Este instituto que é um sonho antigo da família da artista. A coordenação e a concepção do projeto foram realizadas por seu filho Ricardo Ohtake, ex-secretário da Cultura do Estado e atual secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente. Já o edifício foi projetado por seu outro filho, o arquiteto Ruy Ohtake. Um dos curadores das mostras do instituto será o ex-diretor do MAM-RJ, Aguinaldo Farias.Além de salas de exposições adequadamente climatizadas para receber mostras segundo critérios de exigência internacionais, o Instituto terá um teatro que promete uma acústica impecável com capacidade para 722 pessoas. E, ainda, biblioteca, loja, restaurante e estacionamento. Haverá uma sala de projeções pequena para conferências, um espaço para mostras de fotografias e uma escola de arte. Ao todo serão 4.000 metros quadrados de área construída.Tomie Ohtake já realizou dezenas de exposições individuais em São Paulo, Rio de Janeiro, Nova Iork, Tóquio, Milão, entre outras cidades. Na Bienal de São Paulo conquistou o Prêmio Itamaraty, entre muitos outros. O Masp fez uma grande mostra retrospectiva de seu trabalho com 150 obras, em 1988 e há um livro editado com suas obras, publicado em 1983, com 250 reproduções a cores, prefácio de Pietro Maria Bardi e texto de Casimiro Xavier de Mendonça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.