Tom Zé lança ?Tribunal do Feicebuqui? em vinil

Tom Zé, em 2013, mostrou mais uma vez sua relevância como artista e criador inquieto: lançou um compacto duplo, em vinil, para debater com seu público. Prensado na República Checa, o disquinho veio à luz com tiragem de 500 exemplares, numerados. Nele, estão reunidas cinco das canções do EP, lançadas meses antes, no site do artista para download gratuito. O nome do EP virtual, como do compacto de vinil, é o sugestivo Tribunal do Feicebuqui.

WILSON ALVES-BEZERRA, ESPECIAL PARA AE*, Agência Estado

02 Janeiro 2014 | 10h37

Em relação ao EP, o compacto ganha a bela capa de Mallu Magalhães - com uma imagem do artista em pose de presidiário ou Cristo na cruz - e o encarte com as letras das canções, além do texto Ordem no Tribunal!, no qual se relata, em linguagem jurídica, a polêmica que deu origem ao trabalho. A versão digital trazia os créditos num arquivo PDF; o compacto organiza-os sob a direção de arte de Cristina Naumovs.

As origens do disquinho são conhecidas. Em fevereiro, Tom Zé emprestou sua voz para a locução de um comercial de refrigerante, "A copa de todo mundo". A propaganda trazia as costumeiras imagens festivas do Brasil, emolduradas por um discurso inclusivo que associava o País de todo o mundo ao esporte de todo mundo e à bebida de todo mundo.

A gritaria contra o artista foi notável: ele foi julgado e condenado nas redes sociais como "vendido". A premissa é que o "artista autêntico" não pode fazer propaganda, ainda mais do refrigerante gringo, ícone do capitalismo.

O fato é que Tom Zé - perto de completar 80 anos de idade, 45 anos desde o lançamento do primeiro disco, alguns deles amargando um esquecimento que lhe permitiu ser jardineiro do próprio condomínio - acusou o golpe. E, ato seguido, tomou para si a acusação da qual foi alvo: doou o cachê da propaganda para a Banda de Irará e colocou-se como réu no Tribunal.

Mas também assumiu, enfim, o papel que alguns artistas se outorgam em tempos difíceis: expressou-se de maneira pública e singular sobre os acontecimentos de seu entorno. Além de lançar o EP em seu site - que agora ressurge em disco - nas semanas seguintes, compôs e publicou ainda outras canções para audição gratuita, dando continuidade a seu projeto da década passada, Imprensa Cantada (2003). A música mais representativa é, sem dúvida, Povo Novo, que canta e reflete sobre as manifestações de rua. Esta, porém, não figura no compacto, que centra forças na borbulhante polêmica do comercial de refrigerante.

De modo sagaz, o artista se imola e coisifica ao se associar radicalmente, nas letras, ao universo da propaganda. Logo na música de abertura, canta: "Vendido, vendido, vendido / a preço de banana / Já não olha mais para o samba / tá estudando propaganda", fazendo referência a seus discos Estudando o Samba (1975) e Estudando o Pagode (2005). Já em Zé a Zero embaralha os fonemas para dizer: "Aqui copa coca acolá / Fazendo propaganda do Tom Zé". Fica a pergunta, desafiadora, também da faixa de abertura, bradada pelo rapper Emicida: "Que é que custava morrer de fome só para fazer música?". Bastante rara tal lucidez no mundo em que a canção deixou de ser uma commodity em alta no mercado.

No lado B, mais dois momentos singulares. O primeiro deles, a marca maior de uma sociedade que insiste em não ser laica: numa quase marchinha, o poeta vai supostamente contrito pedir perdão ao papa para "o tipo de pecado que acabaram de inventar". E apela: "No Feicebuqui da Santa Sé / Papa Francisco perdoa Tom Zé".

O disco é encerrado com um jingle do guaraná Taí, que Tom Zé compôs no tempo em que trabalhou na DPZ, há 40 anos. Pois a canção, que legitima o passado de iniquidades do artista, ressurge metamorfoseada na versão de The Hips of Tradition (1992) com o acréscimo de uma beat-box ao fundo, aliada a intervenções tangueiras de um bandônion.

Ao final da audição se pode perceber como o artista devorou o refrigerante e os críticos. A resposta musical e pública à polêmica dá a dimensão de Tom Zé como artista que se afeta pelo que também publicamente se diz sobre seus gestos. Mas também como o artista que pode tomar a palavra quando quer.

* Wilson Alves-Bezerra é coordenador de cultura da Ufscar e autor de Da Clínica

Do Desejo a Sua Escrita (Mercado de Letras/Fapesp)

Mais conteúdo sobre:
músicaTom Zé

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.