Todos os links de Lady Gaga

Terminei a coluna passada falando do novo clipe de Lady Gaga, Telephone, como uma das provas da complexidade do pop em tempos digitais. Mas a citação literal de Quentin Tarantino (a caminhonete amarela de Kill Bill) era só uma das milhares de referências que entopem os quase dez minutos do vídeo.

Alexandre Matias, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2010 | 00h00

Ambientado em um presídio feminino (eis a primeira referência: os filmes B de Russ Meyer), Telephone puxa hiperlinks de todos os lados. Em um segundo, ela faz uma referência à Madonna; mais à frente, se veste de Capitão América, usa as orelhas do Mickey e depois reencena o final brega de Thelma & Louise.

Mas estas são as fáceis. As referências que estão por todo o clipe são obscuras, underground, para iniciados. O bar de beira de estrada para onde ela foge após sair da cadeia é exatamente o mesmo do seriado NCIS e aparece no mesmo enquadramento no clipe de High & Dry, do Radiohead. Uma receita de veneno surge em pouco mais de um segundo na tela e seus ingredientes são fictícios, saídos de títulos de ficção científica. A emissora de rádio sintonizada no carro chama-se KUK, uma paródia que a banda Queens of the Stone Age fez à rádio KLON, emissora fictícia do game Grand Theft Auto. O consultor do reality show Queer Eye for a Straight Guy, Jai Rodriguez, aparece em uma cena como um repórter de TV que filma Lady Gaga como um dos personagens de Natural Born Killers, de Oliver Stone. Num microssegundo surge a atriz pornô Aletta Ocean. E uma imagem de circuito interno da cadeia exibe a data em que o corpo do estilista Alexander McQueen foi encontrado. Sem contar o excesso de grifes que patrocinam o clipe.

Estas referências destroem as fronteiras entre nichos e transformam Lady Gaga numa artista cada vez mais importante. Sua música é trivial, mas seu impacto é visual e o clipe de Telephone é um delírio de samples visuais, de hiperlinks para outros contextos, uma homenagem à era do copy+paste, em que citar é tão importante quanto criar. Não é à toa que Tarantino já sondou a cantora para atuar num próximo filme...

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.