Todos os Brasis de waldir

Todos os Brasis de waldir

Álbum triplo com sucessos e raridades de Waldir Azevedo revela como ele mapeou o Brasil e revolucionou o cavaquinho

Lucas Nobile, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2010 | 00h00

Em 1973, distraído com um cortador de grama, Waldir Azevedo perdeu parte do dedo anelar esquerdo em acidente doméstico. Depois de ser levado às pressas para o hospital por sua mulher, a falange resgatada da lata de lixo de sua casa foi implantada. A saúde estava fora de risco, mas os médicos sentenciaram que ele jamais voltaria a praticar seu ofício: tocar seu instrumento. Anos depois, Waldir retomou as atividades e o sucesso com a composição Minhas Mãos, Meu Cavaquinho.

A volta foi por paixão. Caso tivesse se aposentado após a fatalidade, o cavaquinista tranquilamente já teria garantido seu lugar na galeria dos imortais, ao lado de Jacob do Bandolim e de Pixinguinha. Tudo porque, na virada da década de 40 para a de 50, Waldir não apenas havia estourado nas paradas e vendido milhões de discos como também tinha mudado a história de um instrumento e de um gênero musical. Não por fazer temas aprofundados e dotados de beleza descomunal, mas por criar melodias de fácil assimilação popular, colocando o cavaquinho em seu devido lugar, lá no alto.

Após 14 anos na companhia Light, no Rio, flertando com o acaso, ele fez com que o instrumento deixasse de atuar apenas como acompanhamento nos regionais para receber os holofotes de solista. Waldir se tornou ponta de lança da retomada do choro, e observou a disseminação de Brasileirinho, Delicado e Pedacinhos do Céu pela Europa, Ásia, pelos EUA, e, sim, pelo Oriente Médio.

Com mais de 30 LPs, sem contar os registros dos discos de 78 rpm - dos quais se tornou o maior vendedor de todos os tempos -, agora, quando se completam 30 anos de sua morte (dia 20 de setembro), ele ganha a homenagem e, o público, o presente. Em um país conhecido pela falta de respeito por seu patrimônio cultural, a Warner enfim dá um exemplo ao lançar Waldir Azevedo - Brasileirinho, disco triplo contendo sucessos e raridades do homem que popularizou o cavaquinho no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.