Tizuka: ''Nossa senhora ajudou''

Tizuka Yamasaki tem a fama de ser uma diretora que roda a baiana em defesa de suas convicções. Não é por ser diretora contratada de Aparecida - O Milagre, que ela teria de dizer sim a tudo que lhe propusesse o roteiro do filme, que já estava pronto. Só que ela não precisou brigar e tudo se passou na mais santa paz. "Nossa Senhora ajudou muito", ela diz. O filme foi rodado durante cinco semanas, em março/abril deste ano. É um período de muita chuva na região de Aparecida e São Paulo e Rio ficaram debaixo d"água. A produção não podia atrasar porque logo viria a Páscoa e a cidade seria tomada pelos romeiros. O tempo permaneceu bom e ensolarado como nunca, nesta época, em Aparecida.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2010 | 00h00

A cineasta reflete - "Quando criança, a gente em geral tem uma religião que é imposta. Ao crescer, tenta se afirmar pelo materialismo. Aos 60 anos, estou muito feliz de viver meu momento espiritual." Nele se encaixam não apenas Aparecida - O Milagre, mas também outro filme que Tizuka finaliza, Amazônia Caruana, sobre um pajé da grande floresta. Ela cita o tipo de mudança que introduziu no roteiro que tem crédito final de Paulo Halm. A cena do auto, quando o filho de Murilo Rosa - o garoto que desafia o pai empresário, sendo ator - reconstitui a história da estátua da santa e como foi encontrada, havia sido escrita como sendo de interiores. Um ensaio num galpão e Tizuka convenceu os produtores Paulo Thiago e Gláucia Camargos a levar as cenas para a rua.

"Todas as cidades do interior de São Paulo que prosperaram meio que se parecem. Aparecida é a exceção e me parecia importante mostrar sua topografia." O ator que faz o filho, Jonatas Faro, é bonito e talentoso. Justamente naquela cena, ele estava voltando ao set, depois de parar por dez dias, em decorrência de um acidente. Numa cena que é posterior dentro do filme, mas foi feita antes - a briga com o pai, no interior da casa -, Jonatas Faro, muito intenso, machucou o rosto ao sair de quadro de forma intempestiva, chocando-se com a steadycam. Ele machucou o rosto. Tizuka estava preocupada de que ficasse alguma marca. Não ficou nenhuma. Até nisso a santa ajudou.

É a melhor cena do filme e, para Tizuka, é lucro ouvir o elogio. Ela sempre soube que Aparecida - O Milagre não tem a cara de filme para os críticos. "Nossa opção por fazer uma narrativa bem popular implica nisso que você chama de reiterações (leia textos nesta página). Mas, por outro lado, o filme é muito sofisticado, muito cuidado", ela ressalta. Durante todo o tempo, sua preocupação, associada à irmã, a diretora de arte Iuriko Yamasaki, era ser crível. "Talvez a primeira coisa que mexi no roteiro foi fazendo ver ao Paulo (Thiago) que Nossa Senhora tinha de aparecer. Não sabia nem como faria isso, mas era importante, necessário para o filme, que ela aparecesse. O problema é que cada fiel tem a sua imagem de Nossa Senhora, não podíamos desapontar ninguém."

Ela não é católica, mas se define como uma pessoa espiritual, de fé. Não fez Aparecida como uma reação católica à onda espírita que assola o cinema brasileiro. "Na verdade, gostaria que o filme viesse somar. O filme não é de catequese nem dogmático. Daniel Filho (em "Chico Xavier") fez cinema mais do que doutrinação espírita. Nosso Lar é menos cinema e mais doutrinação. Eu sou do time de Daniel, também quis fazer cinema." O filme vai passar do milhão de espectadores? "É imprevisível. Nunca se sabe, mas gostaria que sim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.