Tio Vânia inspira galpão

O interesse renovado pela obra de Anton Chekhov não aparece apenas nas obras do argentino Daniel Veronese. No Brasil, o grupo mineiro Galpão também envereda pela trilha aberta pelo autor russo e montou Tio Vânia (Aos Que Vierem Depois de Nós).

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2011 | 00h00

A peça, que fez sua estreia no Festival de Curitiba deste ano, segue em cartaz na sede do grupo em Belo Horizonte. E deve chegar em breve a São Paulo.

Com direção de Yara de Novaes, a montagem sinaliza um desvio de rota na tradição da companhia. Às vésperas de completar 30 anos, e quase sempre devotado a um teatro popular, quase farsesco, o Galpão aparece agora tateando um universo praticamente inexplorado: os dramas de densidade psicológica.

Com o texto, o grupo também põe a si mesmo sob escrutínio. "A peça fala dessa relação dos homens com o tempo, esse momento de rever o que fizeram. Agora, é como se o próprio Galpão fizesse um balanço", avalia a diretora.

Antes de fincar o pé no mestre do realismo, o grupo sondou outros autores, como Harold Pinter. Também flertou com a releitura que Daniel Veronese fez em Espia a Uma Mulher Que se Mata. Mas acabou decidindo-se por abraçar o original.

Se pensarmos que o último trabalho do Galpão foi Till - uma retomada de suas raízes de teatro de rua -, a obra atual soa quase como contrassenso. Mas vale lembrar que o movimento de escape já se delineava antes, pelo menos desde que Eduardo Coutinho filmou Moscou. No documentário de 2009, o cineasta revelava o encontro da companhia com As Três Irmãs. Em jogos de improviso, flagrava-se o conflito latente entre real e ficção, dissolviam-se os limites entre o ator e o papel que representava. Para fazer Tio Vânia, as biografias dos intérpretes também foram convocadas na sala de ensaio. Essas experiências pessoais, porém, não chegaram a subir ao palco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.