Reprodução
Reprodução

Tintin em nova dimensão

Com Steven Spielberg e Peter Jackson, personagem ressurge em 3D

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / PARIS

A amostra apresentada à imprensa na terça, em Paris, é de apenas 8 minutos, mas deixa claro que As Aventuras de Tintin - O Segredo do Unicórnio, o herói criado pelo cartunista belga Hergé em 1929, não apenas ganhou mais animação e uma dimensão extra, fruto da versão 3D. Em uma produção que se anuncia impecável e execução técnica digna de seu diretor, Steven Spielberg, a versão cinematográfica dá vida nova a um dos personagens de quadrinhos de maior sucesso do século 20.

Veja também:

linkQuadrinhos com vida: produtores falam sobre Hergé, pai de Tintin

Essas primeiras impressões vêm não só dos extratos do filme - com estreia na Europa prevista para 26/10 e em 20 de janeiro no Brasil - mostrados à imprensa. Também sobressaem das conversas com Spielberg e Peter Jackson, diretor de O Senhor dos Anéis, produtor de Tintin e diretor do segundo episódio da nova franquia, cujo lançamento deve ficar para 2012. Juntos, Spielberg e Jackson demonstram um cuidado em traduzir a obra de Hergé para o cinema com fidelidade. "Fomos absolutamente respeitosos", diz o diretor.

O cuidado tem relação direta com o sucesso obtido pelo cartunista belga. Ao idealizar o jovem jornalista, protagonista de Tintin au Pays des Soviets, a primeira tira da série (1929), Hergé criou um personagem com lugar garantido na memória de crianças e adultos. Aos menores, o menino loiro e de roupas engraçadas seduziu por suas aventuras ao lado de seu cãozinho Milou. Aos crescidos, impressionou seus temas políticos e seu mistério. Afinal, Tintin não tem passado, idade definida, família, namorada, amigos nem vida fora dos episódios dos quais participa.

A ausência de referências pessoais levava os leitores a se concentrarem no mais importante: a qualidade de suas histórias presentes. Corajoso e com apurado senso profissional, Tintin enfrentou bolcheviques prontos a matá-lo para impedi-lo de revelar ao Ocidente os desmandos da URSS. Com o mesmo tom crítico subliminar, ele combateu gângsteres que tomavam Chicago e minavam os EUA em Tintin en Amérique (1931). Além disso, protagonizou aventuras fantásticas nos quatro cantos do mundo. São essas histórias que Spielberg e Jackson agora adaptam ao cinema de animação, em uma espécie de Indiana Jones do século 21.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.