Divulgação
Divulgação

Tigran Hamasyan toca na Sala São Paulo

Em entrevista ao 'Estado', o elogiado pianista armênio de 25 anos fala sobre o seu jazz mestiço

ROBERTO NASCIMENTO - O Estado de S.Paulo,

17 Outubro 2012 | 03h10

A globalização do jazz moderno é ouvida em detalhes velados. O que um dia já foi uma explosão palpável de misturas - latin jazz, brazilian jazz, fusion - tornou-se um jogo complexo, liderado por músicos que se aprofundam em culturas diversas, em busca de elementos que deem distinção às suas formas de tocar. Um standard, por exemplo, pode ser sobreposto ao quebra-cabeça rítmico de um raga indiano, como faz o pianista Vijay Iyer. Um improviso sobre dois acordes pode ser entortado por danças bálcãs, com pitadas microtonais do gamelan indonês, sem cair no batido terreno da world music.

No caso do elogiado pianista Tigran Hamasyan, de 25 anos, que toca hoje na Sala São Paulo, como parte da programação beneficente de concertos Tucca, a procedência estilística é armênia. "É um mundo riquíssimo", conta o músico, em entrevista ao Estado. "Primeiramente, me fascinam as melodias. Depois, os ritmos. É música étnica, folk music, assim como o jazz. Quando John Coltrane toca, me lembro de uma zurna, um instrumento armênio, tocando uma dança tradicional", explica.

Tigran foi o vencedor do prestigiado prêmio Thelonious Monk, em 2006. Já lançou quatro discos, ganhou elogios de Brad Mehldau e Herbie Hancock, e vem ao País para mostrar A Fable, uma coleção de composições para piano solo, lançada em 2011. Como no caso de seus contemporâneos, a música de seu país de origem permeia inteligentemente seu estilo pianístico. Há quebras insistentes de ritmos tirados de danças armênias, e melodias que lembram, mais em sotaque do que sonoridade, os sons do Leste Europeu e do Oriente Médio, que deságuam no folclore armênio. "Há tantas semelhanças entre o universo jazzístico e o universo folclórico. De fato, não há dois universos, apenas um. Folk, seja música clássica indiana, seja música brasileira, escandinava ou flamenco, é uma coisa só. É sagrado para mim", conta.

Ao mesmo tempo em que sua música respeita a tradição armênia, seu fraseado é calcado no vocabulário de pianistas como Herbie Hancock e Keith Jarrett. Este último, curiosamente, leva o crédito de ter lhe revelado as riquezas da música de seu país. "Cresci ouvindo música armênia. Mas foi só quando descobri que Keith Jarrett e Jan Garbarek ouviam e readaptavam coisas do meu país, que eu realmente me aprofundei. Redescobri a música da minha cultura através deles."

Logo após seu aprofundamento inicial em cantigas de trabalho e danças folclóricas, Tigran mudou-se para Los Angeles com sua família e matriculou-se em uma universidade. Sucedeu uma vida dupla, dividida entre a faculdade e os clubes de jazz. Logo o pianista estabeleceu sua reputação no circuito de festivais europeus e passou a trocar figurinhas constantes com craques do piano como Herbie Hancock, Chick Corea e Joe Zawinul. "O jazz tornou-se um veículo para a improvisação. Mas aprendi que não precisava usar, necessariamente, as técnicas ocidentais para improvisar. Preferi buscar o vocabulário da minha e de outras culturas", explica.

Uma aula relâmpago de suas influências armênias ocorre pelo telefone: "Há diferentes gêneros. Algumas danças e canções têm ocasião específica para serem tocadas, como quando fazemos iogurte ou manteiga. Há cantigas, danças de casamento, danças para a confecção de certas comidas. Danças cerimoniais. É um universo vasto", explica Tigran.

A Fable, seu novo disco, retrata esse toque armênio em singelas composições para piano solo. Há noturnos belíssimos, como Rain Shadow, que abre o disco, e The Spinners, que começa quieta e se transforma em algo semelhante a uma marcha ou um hino armênio. Seu vocabulário jazzístico, enraizado solidamente na tradição dos gigantes do jazz, costura os pianíssimos e fortíssimos de A Fable. "Já fui um fanático praticante do bepop", responde a uma pergunta sobre as origens de seu fraseado. "Mesmo que eu tenha vontade de te dizer que não, há muitas coisas que se passam subliminarmente, no meu estilo, que vêm do bebop. Mas defendo que a minha música não é exatamente 'jazz'. Talvez algumas formas sejam. Talvez um pouco do meu modo de improvisar seja. Mas a improvisação está presente em diversas culturas", completa.

TIGRAN HAMASYAN

Sala São Paulo. Praça Julio Prestes, 16, tel. 3223-3966.

Hoje, 21 h. R$ 60/ R$ 150.

Mais conteúdo sobre:
Tigran Hamasyan Sala São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.