Thiago Mann, veloz na passarela e na carreira

Depois de desfilar para cinco estilistas na última edição da São Paulo Fashion Week, semana passada, o modelo Thiago Mann, apontado como a revelação da temporada, já colheu dois dividendos. Ao descer, a pé e sozinho, por um trecho da Avenida Rebouças, ouviu de duas mulheres que conversavam: "Está vendo este menino? É modelo". Esse foi o primeiro dividendo. Agora o outro: ele pode ser o único modelo masculino do mundo a integrar o casting da poderosa agência Marilyn, de Nova York, que dedica-se apenas à carreira das tops. Ao comentar com o mesmo entusiasmo juvenil dois fatos de proporções tão díspares, Thiago comprova que a fogueira das vaidades do mundo fashion ainda nem chegou a chamuscar sua pele branca de descendência alemã.Aos 16 anos, 66 quilos e 1,87m - há tempos que ele deixou para trás o pai, o funcionário público Romiro, o "altão" da família, que estacionou nos 1,83m - Thiago é o protagonista de uma ascensão rara no universo das passarelas.Palavras como casting, stylist, Herchcovitch e Haten ainda embaralham a cabeça deste jovem que, até três semanas atrás, recebia R$ 200 por mês como empacotador do supermercado Pague Menos, em Santo Ângelo, a cinco horas de ônibus de Porto Alegre. E outros R$ 40 mensais como entregador de remédio da Distribuidora Santa Cruz. "Do que mais eu estou gostando nesta nova carreira?", pergunta. "O salário é bom. Eu recebi R$ 180 a cada desfile de alguns minutos. Antes eu precisava trabalhar um mês para ganhar isso."Minutos, no caso de Thiago, são só minutos mesmo. Sem nunca ter passado por qualquer curso de modelo, ele cruzou as passarelas da São Paulo Fashion Week como uma aparição esguia, em passos rápidos e curtos. Saiu da maratona de moda com o apelido de Ligeirinho. "Isso eu preciso corrigir. Não posso ser assim tão rápido. Mas eu nunca treinei. No meu primeiro desfile, o estilista disse apenas: ´molha a postura e vai´". Descoberto pelo scouter (olheiro) Paulo Afonso enquanto fazia pacotes no supermercado, Thiago chegou a São Paulo sem book e sem documento. Veio na companhia do pai, que ficou na cidade apenas um dia, para ver onde o jovem estaria hospedado. E trouxe algumas fotos caseiras, que não passavam de meros lambe-lambes diante do rígido padrão gráfico das agências. Mas foi o que bastou."Quando as fotos caíram nas minhas mãos, vi que estava diante de um tipo raríssimo", diz o booker catarinense Anderson Baumgartner, 25 anos, há quatro na agência Marilyn. "Enviei cópias das fotos, por e-mail, para alguns clientes e formadores de opinião. Em algumas horas, Thiago já estava sendo convidado para participar de desfiles. Ele tem um perfil que não se encontra facilmente no Brasil." Em sua carreira de booker, Anderson não se lembra de outro caso de um jovem modelo que tenha sido escalado para um evento com a visibilidade da São Paulo Fashion Week sem ter book, composite ou uma preparação. "Ele estava há menos de uma semana na cidade quando abriu o desfile de Fause Haten. Não conheço outra pessoa que tenha chegado a este estágio com menos de seis meses de trabalho."Thiago entra em estúdio hoje para finalmente começar a posar para o seu cobiçado book. No início da semana ele fez algumas fotos que já foram enviadas a Nova York, para que a matriz da agência Marilyn possa oficializar o convite de tê-lo em seu cast.Em São Paulo, desde que chegou, o jovem modelo tem circulado pouco. Faz a pé o trajeto da casa em que está hospedado, em Pinheiros, até a sede da Marilyn, ao lado do shopping Eldorado. Ou até o supermercado. De cinemas e casas noturnas, ainda não viu nada. "Aqui tudo é muito longe, principalmente para quem está a pé", diz com seu carregado sotaque gaúcho, pontuado por incontáveis "tu", "ti" e "gurias".Se a agenda permitir, ele espera passar o carnaval em Santo Ângelo, com a família, que acompanhou seus desfiles em São Paulo por meio de jornais e Internet. Volta do Sul na quarta-feira de cinzas para tirar o passaporte. "Está tudo acontecendo muito rápido. Eu nunca tinha pensado em ser modelo. Não conhecia os estilistas e nem sabia direito o nome dessas meninas bonitas e famosas."Agora Thiago cruza com as tais meninas bonitas e famosas nos corredores e camarins dos desfiles. Mas isto também não afasta muito seus pés do chão. "Sabe, lá no Sul, a gente sai na rua e já vê essas gurias altas, loiras de olhos azuis. Isso é comum por lá. Aqui em São Paulo é que é difícil". Pelo visto, o carnaval de Thiago será em ótimas companhias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.