The Police reúne 11 mil em Londres na volta do grupo

O tempo parece ter parado para a banda The Police. E para o Sting também. De volta aos palcos depois de mais de 20 anos separados, o vocalista e baixista Sting, o guitarrista Andy Summers e o baterista Stewart Copeland - a formação clássica do The Police - seguem em turnê mundial com o Reunion Tour e, na noite de anteontem, fizeram show em sua terra natal, Londres, para um público estimado em 11 mil pessoas, na Wembley Arena. Em ação, o trio demonstra o mesmo entrosamento dos velhos tempos e o cinqüentão Sting, uma invejável boa forma e a capacidade de usar a voz ao seu bel prazer. Fisicamente, Copeland também envelheceu bem, Andy, nem tanto, mas o tempo ajudou o trio a aprimorar sua técnica, como eles próprios reconhecem. "As músicas têm de se desenvolver. Vinte anos mais tarde, temos de ser melhores músicos", afirmou Sting. No concerto em Londres, tudo funcionou pontualmente, a começar pela abertura dos portões. Tudo muito calmo, muito civilizado. Às 21 horas, o motivo de todas as cerca de 11 mil pessoas terem saído de suas casas naquele sábado congelante estava lá, diante delas, ao vivo, no palco. The Police, o retorno. Sting, Andy e Copeland engataram, de cara, dois sucessos, Message in a Bottle e Synchronicity II. Depois, Sting fez as honras, apresentando os já manjados músicos da banda e conclamou o público a levantar as mãos e cantar o resto do show. Veio o indefectível reggae Walking on the Moon, Voices Inside My Head, Don''t Stand So Close, outro reggae thepoliciano, e uma seqüência de menos badaladas: Driven To Tears, Hole in My Life e Truth Hits Everybody (essas duas últimas, tiradas do primeiro álbum de estúdio do trio, Outlandos d''Amour). E no meio de Hole in My Life, Sting brincou de improvisar o refrão de Hit the Road, Jack. Depois dos hits Magic, Wrapped Around Your Finger e De Do Do Do, De Da Da Da, o trio reforçou seu lado engajado em músicas como Invisible Sun (de 1981, sobre as tensões na Irlanda do Norte). Mas o repertório foi pensado mesmo para satisfazer novos e velhos fãs e, nesse balaio, vieram ainda Can''t Stand Losing You, King of Pain (em que Copeland experimentou uma pequena parafernália percussiva), So Lonely e, claro, Roxanne e Every Breath You Take, pontos altos da noite. A banda encerrou o show, 1h30 depois, com Sting cantando Next to You, enquanto uma seqüência de imagens de Andy era exibida no telão. Estava estampada nas caras de Sting, Andy e Copeland a felicidade de estar de volta ao palco, juntos, como The Police. A reunião celebra os 30 anos de formação do grupo e teve início na apresentação no Grammy Awards 2007, em fevereiro. O anúncio da turnê, para a surpresa geral, veio no dia seguinte. The Police Reunion Tour começou no Canadá, em maio, e passou por outras cidades da América no Norte. Segue agora pela Europa e percorrerá ainda Japão, Argentina, Austrália, entre outros países, até início de 2008. No Brasil, a banda se apresenta no dia 8 de dezembro, no Maracanã, no Rio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

AE, Agencia Estado

22 Outubro 2007 | 10h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.